Países avaliam danos de ataque mundial de hackers

ROMA, 15 MAI (ANSA) - Mais de 150 países amanheceram nesta segunda-feira (15) avaliando os danos provocados pelo maior ataque de hacker já registrado na história e temendo novas invasões em sistemas e computadores.   

De acordo com a Microsoft, o ciberataque da última sexta-feira (12) fez "soar um alarme" para os riscos existentes e a vulnerabilidade das novas tecnologias. "O ataque vale como um alarme. Os governos não podem manter softwares que podem ser transformados em armas para hackers sem escrúpulos", disse a companhia em seu blog. O vírus usado no ataque mundial, considerado um "ransomware", bloqueia computadores e pede um "resgate" para que o usuário consiga acessá-lo novamente. O mecanismo teria sido roubado da agência norte-americana NSA e caído na mão de hackers.   

O presidente russo, Vladimir Putin, fez umz dura crítica ao governo norte-americano e aos sistemas informáticos criados pelas agências. "A Microsoft disse claramente que o vírus nasceu nos serviços de inteligência dos Estados Unidos. Isso significa que algo pode se voltar contra quem o criou", disse Putin, em visita oficial a Pequim.   

"O ataque deveria encorajar a comunidade internacional a debater o tema da cibersegurança em níveis políticos mais altos. No ano passado, Moscou propôs aos EUA um acordo bilateral sobre ameaças de hackers, mas, infelizmente, Washington recusou a nossa oferta", alfinetou o líder russo.   

O jornal britânico "The Times" publicou que o governo e o Ministério da Saúde já tinham sido informados há um ano sobre os riscos de um ataque cibernético em grande escala contra hospitais, um dos alvos da invasão mundial de sexta-feira.   

Ao todo, 200 mil computadores foram infectados em 150 países. Os "resgates" pedidos pelos hackers giraram em torno de US$ 300 para cada equipamento. Especialistas chineses contabilizam que 30 mil entidades, de diversos setores, foram atingidos. No Brasil, servidores públicos e empresas de telecomunicações também foram violados, como o Tribunal de Justiça de São Paulo, o Ministério Público e o INSS.   

O Japão, por sua vez, informou que servidores do colosso Hitachi e da Nissan apresentaram problemas com o ataque.   

Apesar da Europol garantir que não há nenhum novo risco de contágio global, os temores não passam. "Não foram registradas novas infeções de ransomware e isso é positivo. Significa que, no fim de semana, com o alerta do ataque em escala global, as pessoas começaram a fazer as atualizações de segurança em seus equipamentos", disse o porta-voz da Europol, Jan Op Gen Oorth. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos