Avião que caiu com delegação da Chapecoense não tinha seguro

SÃO PAULO, 26 MAI (ANSA) - O voo que levava a delegação da Chapecoense e membros da imprensa brasileira para a final da Copa Sul-Americana não estava protegido por um seguro válido, informou nesta quinta-feira (25) a emissora "CNN" em Espanhol.   


Segundo documentos obtidos pelo canal, o avião da companhia boliviana LaMia tinha uma apólice que não havia sido suspensa por falta de pagamento. A renovação do seguro ocorreu no dia 10 de abril de 2016 e, portanto, estaria válida no dia do acidente, em 29 de novembro, se tivesse sido quitada.   


A informação consta em uma notificação enviada pela seguradora Bisa às autoridades que investigam o acidente em fevereiro deste ano.   


Ao todo, 71 pessoas perderam a vida na queda do avião em Medellín, na Colômbia, minutos antes do pouso no aeroporto na cidade. Desde então, a investigação sobre o que ocorreu é feito tanto em território colombiano como na Bolívia.   


No ano passado, a Bolívia acusou a empresa e o piloto Miguel Quiroga, que faleceu no acidente e também era dono da companhia, de serem os responsáveis pela tragédia. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.



Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos