Venezuela poderá destituir procuradora contrária a Maduro

CARACAS, 20 JUN (ANSA) - O Tribunal Supremo de Justiça da Venezuela (TSG), decidiu nesta terça-feira, dia 20, que abrirá uma audiência preliminar contra a procuradora-geral do país, Luisa Ortega Díaz, pela suposta "prática de faltas graves no exercício do seu cargo", o que pode resultar na sua destituição.   

A denúncia foi apresentada ao poder judiciário pelo deputado pró-governo de Nicolás Maduro Pedro Carreño, dirigente do Partido Socialista Unido da Venezuela (Psuv), na semana passada.   

Nela, o chavista exigia além da remoção da procuradora do cargo, o congelamento cautelar de seus bens e a proibição de deixar o país. Segundo Carreño, Ortega Díaz "tentou falhamente atacar, lesionar ameaçar a ética pública e a moral administrativa" assim como "atuar com grave e imperdoável ignorância na Constituição e violar, ameaçar e minar os princípios fundamentais estabelecidos na Constituição".   

O deputado também afirmou que trabalhará até seu "último suspiro para a defesa da Constituição", legado do falecido ex-presidente Hugo Chávez (1999 - 2013). A procuradora-geral acabou se tornando um dos alvos de políticos, manifestantes e militantes chavistas, que a qualificam como uma "traidora" e "líder da opinião" da oposição, ao denunciar a brutal repressão das forças de segurança do país nos protestos contra Maduro e ao ratificar a morte de Juan Pernalete, jovem que acabou falecendo devido ao impacto de uma bomba de gás lacrimogêneo lançada pela Guarda Nacional Bolivariana em abril. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos