EUA adia alistamento de transexuais nas Forças Armadas

WASHINGTON, 01 JUL (ANSA) - O secretário de Defesa dos Estados Unidos, James Mattis, decidiu adiar em seis meses a autorização definitiva para o alistamento de transexuais pelas Forças Armadas do país.   

A medida foi anunciada há um ano, em 30 de junho de 2016, pelo então ocupante do cargo, Ash Carter, ainda sob o governo democrata de Barack Obama, que definira um prazo de 45 dias para a "adaptação". Já na ocasião, no entanto, esse tempo foi considerado muito curto.   

Segundo o Pentágono, o objetivo é "garantir os ajustes necessários" para a entrada de transexuais entre os militares.   

Homossexuais declarados já são permitidos nas Forças Armadas desde 2011, quando uma decisão revogou a política do "não pergunte, não responda".   

Além disso, militares que se tornam transexuais não são dispensados, mas isso só vale para os que já fazem parte das Forças Armadas, não para novos alistamentos. A proibição derrubada em 2016 se baseava na ideia de que esse grupo sofre de "transtornos psicológicos". (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos