Brasil assume comando do Mercosul e mira acordos comerciais

SÃO PAULO, 21 JUL (ANSA) - O Brasil assumiu formalmente a Presidência rotativa do Mercosul ao fim da Cúpula entre os mandatários dos países que formam o bloco nesta sexta-feira (21). Agora, Michel Temer será o líder do grupo até dezembro deste ano.   


Em seu discurso de posse, o brasileiro se comprometeu com os avanços para fechar um acordo comercial com a União Europeia e disse que a reunião de Mendoza será lembrada como o momento em que o bloco econômico "voltou" a suas funções originais. De acordo com ele, a "negociação externa é prioridade" do período em que o país comandará o bloco.   


Temer ainda aproveitou para reforçar que vai manter os esforços para chegar a um acordo com a Aliança do Pacífico, considerados "fundamentais para integrar a América do Sul".   


Temer também usou seu tempo para expressar sua preocupação com a crise política na Venezuela, mas adotou um tom moderado para falar sobre o país, assim como havia ocorrido durante o discurso do presidente argentino, Mauricio Macri, que comandava o Mercosul até hoje.   


"Ficaremos muito atentos para a situação da Venezuela. Aqui chegamos a alguns pontos e eles levem a um primeiro consenso de que é preciso haver um diálogo pra ter uma pacificação interna da Venezuela", disse Temer.   


O mandatário ainda destacou que essa pacificação é necessária para "ajudar o povo venezuelano, que sofre com as consequências" dessa crise.   


Temer finalizou seu discursando agradecendo ao presidente Macri pelo "excelente semestre da Presidência argentina".   


- Sessão plenária: O discurso ao assumir a posse foi semelhante ao que ele fez durante a sessão plenária, onde reforçou a importância das relações exteriores contra o protecionismo.   


"Diante das pressões protecionistas que perduram em diferentes quadrantes, a razão recomenda resistirmos ao isolamento, recomenda insistirmos nos processos de integração. O fechamento ao outro é um obstáculo ao desenvolvimento. Na Presidência brasileira, continuaremos engajados em nossa ambiciosa pauta de negociações externas", destacou.   


Mais cedo, ao abrir os trabalhos, Macri pediu que o grupo "precisava se comprometer a ser protagonista do futuro e ser um ator central na hora de enfrentar os desafios internacionais".   


O argentino afirmou que o Mercosul "está à disposição para facilitar e mediar as partes do conflito" venezuelano e que expressava "uma mensagem de solidariedade e de proximidade ao povo" local. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.



Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos