Macron propõe centros de refugiados na Líbia e irrita Itália

PARIS, 27 JUL (ANSA) - O presidente da França, Emmanuel Macron, anunciou nesta quinta-feira (27) que o país criará, já neste verão europeu, centros de análise de pedidos de refúgio no território da Líbia, projeto que desencadeou críticas na Itália.   

A proposta foi apresentada durante uma visita de Macron a uma estrutura de acolhimento de refugiados em Orléans, cerca de 130 km ao sul de Paris, e tem como objetivo evitar que refugiados e migrantes forçados se arrisquem a cruzar o Mediterrâneo Central.   

Desde o início do ano, 94.444 pessoas realizaram a travessia, um crescimento de 6% em relação ao mesmo período de 2016. "Neste verão, a França criará hotspots na Líbia para examinar candidaturas de solicitantes de refúgio", declarou o presidente.   

Se a ideia vingar, as pessoas pediriam proteção da União Europeia antes de se arriscar no mar para chegar à Itália.   

Mas a proposta encontra forte resistência de Roma, de quem a Líbia é ex-colônia e que há anos tenta liderar os esforços para resolver a crise política no país africano e frear a imigração clandestina no Mediterrâneo.   

"Não se pode, até da parte da França, seguir com piadas improvisadas. Os campos devem ser geridos por organizações internacionais como o Acnur. Não é um assunto que se pode enfrentar com piadas improvisadas", disse o ministro italiano das Relações Exteriores, Angelino Alfano.   

Pouco depois, a ministra francesa para Assuntos Europeus, Nathalie Loiseau, em visita a Roma, garantiu que os centros de análise de pedidos serão desenvolvidos em parceria com o Acnur e a Organização Internacional para as Migrações (OIM).   

Por sua vez, o premier da Itália, Paolo Gentiloni, foi mais comedido e afirmou que seu governo já tem uma agenda definida, que envolve um "plano de acolhimento" e o favorecimento à "reconciliação das forças". "Todas as iniciativas são bem-vindas, mas deve estar claro que os passos são esses, os problemas de estabilização [da Líbia] não se resolvem de modo diferente", acrescentou.   

Procurado pela ANSA, o Palácio do Eliseu, sede da Presidência da França, contradisse o próprio Macron e desmentiu a hipótese de abrir centros de refugiados na Líbia já neste verão europeu, que termina no fim de setembro. Segundo algumas fontes, isso só acontecerá quando a segurança for totalmente restabelecida no país africano.   

Na última terça-feira (25), o presidente conseguiu costurar um acordo entre os dois principais atores das divisões na Líbia: o primeiro-ministro de união nacional Fayez al Sarraj e o general Khalifa Haftar, que se comprometeram com um cessar-fogo e em realizar eleições no primeiro semestre de 2018.   

Na Itália, essa ação de Macron foi vista como uma forma de "atravessar" o papel do país nas negociações na Líbia. A nova divergência entre Roma e Paris surge em meio à nacionalização do estaleiro francês STX, que estava para ser assumido pela empresa pública italiana Fincantieri.   

Tanto esse assunto quanto a questão líbia foram temas de uma conversa por telefone entre Macron e Gentiloni, que haviam mostrado sintonia até a posse do francês, mas agora têm lidado com algumas diferenças que podem pôr à prova o bom relacionamento entre Roma e Paris. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos