Em meio à crise com ONGs,Itália tem queda no nº de imigrantes

ROMA E LAMPEDUSA, 2 AGO (ANSA) - Pela primeira vez em 2017, a Itália registrou uma queda no número de imigrantes que chegaram aos portos do país quando comparado com os dados do ano passado.   

Entre 1º de janeiro e 2 de agosto, chegaram 95.215 deslocados no país contra 97.892 registrados no mesmo período de 2016, em uma queda de 2,7%, informou o Ministério das Relações Exteriores da Itália.   

No entanto, apesar da redução, o governo italiano tem outro problema grave para lidar em referência à crise migratória: a relação com as ONGs que atuam no resgate de estrangeiros no Mar Mediterrâneo.   

Roma criou um "protocolo" de atuação para as ONGS, que não foi assinado por algumas entidades, e começou a fazer uma fiscalização mais intensa nesta quarta.   

O navio Iuventa da ONG alemã Jugend Rettet - que não assinou o documento - foi barrado enquanto se aproximava da ilha italiana de Lampedusa e escoltado até o porto por agentes da polícia italiana.   

Dois imigrantes sírios, que haviam sido resgatados durante a semana, foram levados para um centro de acolhimento local e a embarcação foi inspecionada pelos agentes de diversas unidades policiais.   

"Trata-se de um controle normal, que nós fizemos e que não causará nenhum problema. Agora verificaremos os documentos de todo o equipamento e já nesta manhã eles poderão deixar Lampedusa se verificarmos que está tudo dentro das regras", informou o tenente Paolo Monaco, comandante da Capitania dos Portos da ilha italiana.   

A ONG Jugend Rettet foi fundada em 2015 por jovens da alta classe média alemã para salvar imigrantes no mar que fogem da fome e das guerras. A entidade comprou o Iuventa há cerca de dois anos e atuam no Mediterrâneo há pouco mais de um ano.   

No entanto, de acordo com o jornal "La Repubblica", a ONG alemã teria sido alvo de uma investigação da Procuradoria de Trapani sob suspeitas da relação entre a entidade e traficantes de pessoas no mar. Apesar de não ter sido confirmado oficialmente, a investigação foi aquela que causou a criação do "código de conduta" para salvamentos.   

Outra entidade que não firmou o documento, a ONG Médicos Sem Fronteiras (MSF), informou que fez uma operação de salvamento de 17 pessoas no Mediterrâneo em "coordenação com a Guarda Costeira" da Itália.   

O resgate ocorreu em águas internacionais e foi o próprio centro da Guarda Costeira quem pediu para o navio Aquarius fazer o salvamento. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos