FHC admite racha no PSDB e diz que situação é 'ruim'

SÃO PAULO, 3 AGO (ANSA) - Por Beatriz Farrugia - O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso admitiu nesta quinta-feira (3) que o PSDB está dividido e que a probabilidade de abandonar o governo de Michel Temer é "de meio a meio". Tentando amenizar a situação, o tucano, porém, afirmou que a crise política que o Brasil enfrenta "preocupa mais" que os problemas internos do seu partido. "A situação é ruim, porque o PSDB está dividido. A votação de ontem mostrou isso e o PSDB não está fora desse jogo geral dos partidos. Houve perda de crença nos partidos, e isso inclui o PSDB. A essa altura, me preocupa menos o PSDB do que o cojunto da situação política brasileira. O sistema político que nós criamos, a Constituição de 1988, está esgotado", disse o tucano em um evento no Instituto FHC, em São Paulo, um dia após o presidente Michel Temer sair vitorioso de uma votação na Câmara dos Deputados que barrou o pedido da Procuradoria Geral da República (PRG) para que fosse processado por corrupção, o que abriria caminho para seu impeachment. No total, 22 deputados do PSDB votaram a favor de Temer, 21 deram voto contrário e quatro se ausentaram. Atualmente, o partido detém postos em quatro ministérios: Relações Exteriores (Aloysio Nunes), Cidades (Bruno Araújo), Direitos Humanos (Luislinda Valois) e Secretaria de Governo (Antonio Imbassahy).   


Questionado sobre o resultado da votação, FHC afirmou que "foi uma vitória de pico". "Para o presidente Temer, essa vitória adianta, mas, para o país, essa não era a questão". "O país não pode mudar de presidente a cada seis meses. O país tem que ter horizonte de esperança, uma visão que motive as pessoas", comentou o tucano, explicando que as eleições de 2018 colocarão à prova os nomes que podem "resgatar a confiança dos brasileiros". De acordo com FHC, os tucanos deverão apoiar o governo na aprovação das reformas, mas a permanência na base aliada será discutida. "Governar quer dizer aprovar medidas de reforma. E o PSDB vai ter que aprovar [as reformas], não há dúvida. Mas ficar no governo é uma questão mais complicada. A possibilidade é meio a meio", anunciou o tucano. "A minha inclinação hoje é: 'vamos aprovar as reformas e pensar no que fazer no futuro'. Não devemos ter uma posição oportunista, mas não há motivo também para ficar ligado àquilo que não concordamos. Quem deu a sustentação maior do governo foi o 'centrão', e eu não concordo com o que o centrão como estilo político", criticou.   


Fernando Henrique também defendeu a continuação das investigações e ressaltou a necessidade de uma Justiça rápida. "Temos um problema que não está resolvido. A corrupção foi muito grande no Brasil, pegou muito gente, de vários lados, vários partidos, há uma descrença da população", disse. "É preciso que os processos continuem, que a Justiça seja mais rápida, porque cansa esperar, esperar, esperar e não ter resultado, e é preciso que haja uma transformação mais profunda. Os partidos estão muito desmoralizados". (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.



Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos