Em meio à tensão entre Pyongyang e EUA, Seul pede diálogo

PEQUIM, 10 AGO (ANSA) - Em meio à troca de ameaças entre o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e da Coreia do Norte, Kim Jong-un, o governo da Coreia do Sul pediu que ambos interrompam as provocações e voltem à "convicção" de que o diálogo "ainda é possível".   

O porta-voz do Gabinete presidencial, Park Soo-hyun, afirmou que os piores cenários "estão se tornando sérios pelas repetidas provocações e ameaças do Norte" e pediu que sejam cessadas "todas as atividades que possam elevar ainda mais a tensão".   

No entanto, ampliando o clima de perigo na região, o governo do Japão afirmou que "tem condições" de interceptar e abater mísseis lançados por Pyongyang contra o território ultramarino norte-americano de Guam.   

Na noite de ontem (9), o governo de Kim Jong-um afirmou ter um plano para atacar o território dos EUA no Oceano Pacífico e que usaria quatro mísseis Hwasong-12 para realizar a ação militar.   

Segundo o ministro da Defesa do Japão, Itsunori Onodera, informou que seu país está em vigilância máxima "porque não podemos tolerar um ato provocatório assim claro contra a segurança da região e da comunidade internacional, incluindo o nosso país".   

Os quatro mísseis Hwasong-12 teriam que passar sobre as cidades de Shimane, Hiroshima e Kochi para chegar a Guam e que por isso os japoneses conseguiriam interceptá-los. Os dispositivos demorariam exatos 1.065 segundos (quase 18 minutos) para chegar ao território.   

Guam é uma ilha de 544 quilômetros quadrados e tem cerca de 162 mil habitantes. Ela fica a 3.400km de Pyongyang, capital da Coreia do Norte, e abriga ainda 3.831 militares que moram, em sua maioria, na base de Andersen. Lá, há os bombardeiros estratégicos B-52 E B-1B, além do sistema antimísseis Thaad, recentemente também instalados na Coreia do Sul.   

- Mercados: A tensão entre Estados Unidos e Coreia do Norte também causou reações no mercado asiático. As Bolsas de Valores de Tóquio (-0,05%), Xangai (-0,44%), Seul (-0,38%) e Sydney (-0,08%) registraram quedas nesta quinta e analistas apontam que o medo de um conflito causou a fuga de dinheiro.   

As maiores quedas, no entanto, ocorreram em Taiwan, com retração de 1,34%, e em Hong Kong (-1,05%).   

Além disso, o preço do ouro - tradicional refúgio em momentos de turbulência no mercado - já abriu o dia com alta de 0,1%, valendo US$ 1.278 a onça. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos