Suprema Corte anula eleições presidenciais no Quênia

NAIROBI, 1 SET (ANSA) - A Corte Suprema do Quênia anulou nesta sexta-feira (1) as eleições presidenciais ocorridas no mês passado e as quais elegeram para um novo mandato o atual líder, Uhuru Kenyatta. O tribunal também determinou que outro pleito seja realizado em até 60 dias. A oposição queniana comemorou a decisão, já que é a primeira vez que uma votação presidencial é invalidada na África. "As eleições presidenciais não aconteceram de acordo com a Constituição", disse o líder da Corte, o juiz David Maraga, ressaltando que Kenyatta "não fora eleito e declarado presidente de maneira válida". O tribunal citou irregularidades no processo e na transmissão dos resultados. "Esse é um dia histório para a população do Quênia, e para a população do continente africano", comemorou o candidato opositor Raila Odinga, que disputou as eleições contra Kenyatta.   

Aos 55 anos de idade, Kenyatta está no cargo desde 2013. A Comissão Eleitoral do Quênia (IEBC) tinha declarado sua vitória nas eleições de 8 de agosto com 54% dos votos, contra 44% de Odinga, que tem 72 anos. O opositor disputou as eleições passadas de 1997, 2007 e 2013.   

Quando Kenyatta foi declarado vitorioso no pleito, o Quênia registrou dois dias de protestos e violência. Ao menos 21 pessoas morreram. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos