Governo quer levar empresas ao mercado da China, diz Temer

SÃO PAULO, 2 SET (ANSA) - O presidente Michel Temer afirmou neste sábado (2), durante o encerramento do Seminário Empresarial Brasil-China, que pretende incluir pequenas e médias empresas no mercado chinês.   


De acordo com o mandatário, a ideia é "explorar novas fronteiras" no comércio bilateral. "Queremos naturalmente as grandes empresas, mas sabemos do significado, do valor do emprego que as pequenas e médias empresas também podem gerar", afirmou Temer no evento promovido pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).   


O brasileiro acrescentou também que instruiu o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços e a Apex-Brasil a trabalharem na inserção das companhias no mercado exterior.   


Segundo Temer, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) abriu uma linha de crédito de R$ 20 bilhões como forma de incentivar a atuação das pequenas e médias empresas.   


"A China já é o maior parceiro comercial do Brasil e tem sido, crescentemente, fonte importante de investimentos em nosso país", disse o presidente do Brasil.   


Para o chefe de Estado, esses vínculos vão se intensificar com o desenvolvimento da economia chinesa e a retomada do crescimento econômico no Brasil. Além disso, Temer ressaltou que a reforma da Previdência e a simplificação tributária trarão "mais segurança" aos negócios no país.   


"Queremos que os empreendedores dediquem cada vez mais tempo à produção e à geração de empregos, e menos tempo a exigências burocráticas", disse.   


Durante o seu discurso, o presidente também aproveitou para afirmar que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil se recuperou em pouquíssimo tempo. "Depois de oito semestres de recessão, a economia voltou a crescer".   


"Fizemos tanto nos último 15 meses que nem parece que se ao se passaram 15 meses", acrescentou Temer, ressaltando que neste período a inflação passou de 10% a 2,71%.   


"O Brasil está de volta e aguardando os empresários chineses.   


Estamos levando adiante a mais ousada agenda de reformas já vista no país, levando-o para o século 21", finalizou.   


Durante o segundo dia da visita oficial à China, Temer foi recebido pelo presidente do país asiático, XI Jinping, em Pequim. Na reunião, os dois líderes também assinaram 14 acordos, sendo que oito são de iniciativa privada e, o restante, bilateral, segundo a assessoria do Palácio do Planalto.   


Desde que assumiu a Presidência, há um ano, após o impeachment de Dilma Rousseff, Temer já viajou duas vezes para a China. Ele esteve no país para a Cúpula do G20 e, agora, participará do encontro dos BRICS (grupo que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), em Xiamen. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.



Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos