Conheça os 3 pilares do movimento separatista catalão

SÃO PAULO, 09 OUT (ANSA) - Passada mais de uma semana do plebiscito separatista na Catalunha, a comunidade autônoma ensaia declarar sua independência da Espanha, no ápice de uma crise que afastou Madri e Barcelona de maneira quase irreconciliável. Mas como a situação se agravou a tal ponto? Veja abaixo os três pilares do desejo separatista que floresce em parte do povo catalão: História - Com idioma próprio, a Catalunha é uma região com forte identidade cultural, mas nunca foi um país independente.   

No entanto, até 1714, contou com um governo relativamente autônomo, situação que mudou com a vitória dos Bourbon na guerra de sucessão de Carlos II, o último representante da Casa de Habsburgo.   

Com a capitulação de Barcelona, a Casa Bourbon, a mesma do atual rei da Espanha, Felipe VI, impôs seu modelo de Estado centralizador, contrastando com o sistema multiétnico e multilinguístico dos Habsburgo. O século seguinte marcou um forte crescimento do sentimento nacionalista catalão, que ganhou espaço com o advento da República, em 1931, quando a região recebeu mais autonomia de Madri.   

Contudo, a Catalunha, bastião do antifranquismo na Guerra Civil Espanhola, perdeu todos os seus privilégios durante o regime de Francisco Franco, que adotou medidas severas para restringir o idioma e a cultura da região.   

A Constituição democrática de 1978 devolveu um certo nível de autonomia à Catalunha, que dispõe de polícia própria e instituiu o catalão como seu idioma oficial, assim como o espanhol. Ainda assim, as cicatrizes do franquismo permanecem até hoje, com os separatistas atribuindo o modelo de "Estado unitário" ao período da ditadura.   

Economia - Em geral, movimentos independentistas possuem um forte fator econômico, e no caso da Catalunha não é diferente. A comunidade autônoma é a mais rica da Espanha e representa 19% de seu Produto Interno Bruto (PIB), beneficiando-se de um mundo globalizado e da integração europeia para não depender do mercado nacional.   

Com a crise de 2008, o governo central promoveu cortes na rede de bem-estar social do país e políticas de austeridade que fomentaram um desejo separatista antes restrito a um quinto da população catalã. Ainda que a comunidade autônoma tenha se saído melhor do que outras regiões durante a crise, os independentistas alegam que estariam em uma situação mais favorável se Barcelona tivesse plena autonomia para administrar seus impostos.   

Atualmente, a Catalunha abriga cerca de 7 mil multinacionais e uma renda per capta de 27,6 mil euros, contra 24,1 mil da média espanhola. Já a taxa de desemprego está em 13,2%, enquanto no país o índice é de 17,2%.   

Política - O desejo de viver sem os limites impostos por Madri também é um dos pilares do anseio separatista na Catalunha, sentimento que cresceu com as constantes recusas do primeiro-ministro Mariano Rajoy em aceitar um plebiscito de independência.   

A Constituição da Espanha concede ampla autonomia em matérias como educação, saúde e segurança, mas limita as competências regionais em termos fiscais. Ou seja, limita a capacidade da Catalunha de administrar seus próprios recursos. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos