Meirelles movimenta disputa pelo Planalto em 2018

BRASÍLIA, 04 DEZ (ANSA) - O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, comprou o terreno para sua futura candidatura presidencial e criticou o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, explicitando as divisões dentro da coalizão que respalda Michel Temer.   


"A minha decisão [sobre a candidatura] será tomada no final de março", declarou Meirelles, em entrevista publicada na última segunda-feira (4) pelo jornal "Folha de S. Paulo". Ao longo da reportagem, o ministro indicou sua intenção de se candidatar e disse que é necessário haver um postulante que defenda o legado de "reformas e a política econômica" do governo peemedebista.   


Meirelles é considerado um dos mentores da reforma constitucional que congelou os gastos públicos por 20 anos, aprovada em 2016, e do projeto para alterar as regras da aposentadoria, enviado ao Congresso.   


Ex-presidente do BankBoston, Meirelles conta com o respaldo do mercado, mas ainda não com o da população. Segundo pesquisa do Datafolha divulgada no fim de semana, ele não ultrapassa os 2% de intenções de voto.   


A reforma da Previdência é questionada em alguns pontos pelo PSDB, que deve ter Alckmin como presidente a partir do dia 9 de dezembro, data de sua convenção nacional. Na semana passada, circularam rumores de que o governador de São Paulo vai acertar com Temer o desembarque tucano do governo, tema marcado por idas e vindas nas últimas semanas.   


Em sua entrevista à "Folha", Meirelles criticou o PSDB por ser reticente em dar um apoio claro à reforma da Previdência. "Não há, pelo menos até o momento, um comprometimento do PSDB em defesa dessa série de políticas e do legado de crescimento com compromisso de continuidade", declarou.   


O ministro indicou que só será candidato se houver "percepção da população" sobre o "crescimento econômico". O cenário de indefinição nas eleições de 2018 deve permanecer por alguns meses, já que o candidato líder nas pesquisas, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, corre o risco de ser condenado em segunda instância no "caso triplex", o que o impossibilitaria de concorrer.   


Nos cenários sem Lula, o primeiro colocado é o deputado Jair Bolsonaro (PSC), que é pré-candidato e já tem seu rosto estampado em camisetas com slogans eleitorais vendidas em cruzamentos na periferia de São Paulo.   


A ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva (Rede) também anunciou sua pré-candidatura, assim como o ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT) e a deputada estadual Manuela D'Ávila (PCdoB).   


Quem parece cada vez mais longe da corrida presidencial é o prefeito de São Paulo, João Doria, que esbarrou em Alckmin e é cotado para substituí-lo no Palácio dos Bandeirantes. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.



Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos