PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Juiz argentino afirma que promotor Nisman foi assassinado

27/12/2017 13h07

ROMA , 27 DEZ (ANSA) - O juiz federal argentino Julian Ercolini afirmou que o promotor Alberto Nisman, encontrado morto com um tiro na cabeça em janeiro de 2015, foi "assassinado".   

A acusação consta nas 656 páginas na sentença apresentada pelo magistrado e que, pela primeira vez, coloca um representante da Justiça do país tratando o caso como homicídio e não suicídio.   

De acordo com o documento, entre as "provas suficientes" para confirmar a sentença, estão os dados de que não há nenhum tipo de evidência que aponte que o revólver pertencia a Nisman e também o fato de que não há traços de sangue dentro da arma - dada a proximidade da explosão da bala.   

O juiz ainda recomendou o indiciamento do ex-funcionário de Nisman Diego Lagomarsino. O homem disse em depoimento que emprestou o revólver para o promotor sob solicitação do próprio argentino.   

Nisman foi encontrado morto na banheiro dentro de seu apartamento, dias depois de apresentar formalmente uma acusação contra a ex-presidente Cristina Kirchner e outros funcionários do alto escalão do governo.   

O promotor acusava o grupo de acobertar o papel do Irã no atentado contra a sede da Associação Mutual Israelita Argentina (Amia) em julho de 1994. A ação causou 85 mortes e mais de 300 feridos. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Internacional