Ao menos 23 morrem em protestos no Irã, diz mídia estatal

TEERÃ, 2 JAN (ANSA) - Ao menos 23 pessoas morreram desde o início da série de protestos contra o governo do Irã, iniciada no dia 28 de dezembro, informa a mídia estatal do país nesta terça-feira (2).   

De acordo com o sistema de jornais e televisão, duas mortes ocorreram em Najafabad, duas em Khomeinishahr, seis em Ghahderijan, três no Tuiserkan, três em Izeh, quatro em Doroud e três em Shahinshahr.   

Os números não foram confirmados pelo governo que, no entanto, informaram que 450 manifestantes foram presos desde o último sábado (30) por conta de atos violentos durantes os atos.   

No Irã, assim como ocorre em diversos outros países, manifestações precisam de autorização das autoridades para acontecerem.   

No entanto, o presidente do país, Hassan Rohani, após membros do governo ameaçarem os manifestantes, disse que o povo era "livre para protestar", mas destacou que atos de vandalismo seriam punidos.   

Hoje, a chefe da Corte Revolucionária da província de Teerã, Moussa Ghazanfarabad, afirmou que algumas das pessoas detidas podem ser acusadas de "Muharebeh" (palavra que designa a 'guerra contra Deus'), um crime que prevê a pena de morte como punição.   

As manifestações começaram no dia 28 de dezembro na cidade de Mashhad contra a inflação e a falta de empregos na região. No entanto, elas se espalharam rapidamente por muitas cidades iranianas e a pauta dos atos virou uma crítica a todo o governo iraniano - do aiatolá Ali Khamenei a Rohani, passando pela regra de vestimenta islâmica para as mulheres.   

Os cartazes que criticavam questões econômicas passaram a ostentar frases pedindo a morte de Khamenei, a destituição de Rohani e muitas mulheres tiraram o hijab - o lenço islâmico que cobre a cabeça - para protestar.   

Além disso, confrontos com a Guarda Revolucionária ficaram frequentes bem como os ataques aos prédios e carros públicos.   

(ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos