Quanto custa se candidatar ao Parlamento na Itália?

SÃO PAULO, 09 JAN (ANSA) - Assim como no Brasil, candidatar-se a um cargo eletivo na Itália pode exigir vultosas quantias de dinheiro. Segundo estimativas do jornal "Corriere della Sera", os valores para disputar as eleições podem chegar a 35 mil euros, algo em torno de R$ 135 mil, de acordo com a cotação atual.   

Essa é a quantia pedida a cada candidato pelo partido conservador Força Itália (FI), presidido por Silvio Berlusconi, que enxugou a estrutura da legenda para reduzir custos e diminuiu os aportes pessoais ao caixa partidário.   

Já a ultranacionalista Liga Norte, segundo o "Corriere", foi "forçada" a pedir uma contribuição de 20 mil euros (R$ 77 mil) a cada postulante por causa de uma investigação que bloqueou suas contas - o fundador do partido, Umberto Bossi, foi condenado em primeiro grau a dois anos e três meses de cadeia por ter usado fundos da legenda para fins pessoais.   

No governista Partido Democrático (PD), de centro-esquerda, cada eleito precisa pagar 1,5 mil por mês (R$ 5,8 mil) à sigla, sob o risco de não ser inscrito nas eleições de março. Por sua vez, o também ultranacionalista Irmãos da Itália (FDI) pede "apenas" 5 mil euros (R$ 19,3 mil) a cada candidato.   

O antissistema Movimento 5 Estrelas (M5S), com base em seu regulamento interno, exige que eleitos pelo partido deem a um fundo metade do dinheiro público recebido para o desenvolvimento de suas funções parlamentares. Além disso, cada um deles precisa pagar 300 euros por mês (R$ 1,1 mil) para financiar o "sistema operacional" do M5S. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos