Em reunião,europeus confirmam apoio ao acordo nuclear com Irã

BRUXELAS, 11 JAN (ANSA) - Em meio às ameaças e críticas do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, os países europeus mostraram união no apoio ao acordo nuclear assinado com o Irã em 2015 durante uma reunião realizada nesta quinta-feira (10).   

Além dos EUA, que estavam sob o comando de Barack Obama, assinaram o documento os governos da França, Alemanha, China, Rússia e Reino Unido - além da União Europeia. O grupo ficou conhecido como 5+1 e, até a chegada de Trump, era celebrado por todos por ter diminuído as tensões com o governo iraniano.   

"O foco de hoje foi sobre a plena atuação do acordo nuclear iraniano. A União Europeia mantém sua posição, a de que ele funciona e é crucial para a segurança do mundo. Continuaremos empenhados para a sua plena atuação", disse a alta representante europeia para a Política Externa e Segurança, Federica Mogherini.   

Além de Mogherini, participaram da reunião desta quinta os representantes dos três países que assinaram o acordo e o ministro das Relações Exteriores do Irã, Javad Zarif.   

Após o encontro, a postura do chanceler francês, Jean-Yves Le Drian, foi mais dura contra Trump ao afirmar que "não há alternativas ao acordo nuclear". "O Irã está cumprindo-o e não vemos razões para rompê-lo. Todos devem respeitá-lo, incluindo os amigos norte-americanos", disse o francês.   

O mesmo tom foi adotado pelo ministro das Relações Exteriores da Grã-Bretanha, Boris Johnson, que ressaltou que a postura de seu país "sempre foi muito clara".   

"O acordo nuclear iraniano é um acordo crucial que torna o mundo mais seguro. É vital que continuemos a trabalhar com os parceiros europeus para preservar o acordo", destacou o britânico.   

- Protestos e denúncias: No entanto, todos os representantes europeus informaram que foram debatidos temas internos do país, como os recentes protestos contra Teerã e as denúncias de corrupção e violação de direitos humanos.   

"Concordar [como o pacto] não significa que escondamos as outras questões que estão em desacordo. É preciso falar sobre os outros sujeitos, mas em outra sede e mantendo escrupulosamente o acordo iraniano", destacou Le Drian.   

Johnson destacou que "claramente" há áreas em que os três representantes europeus não concordam com Teerã, "como sua ação para desestabilizar a região e seu programa de mísseis balísticos". Segundo o representante do Reino Unido, isso "constitui uma parte importante de nossas conversas".   

"Vou esclarecer com Zarif que o direito de manifestações pacíficas é central em qualquer sociedade próspera", acrescentou Johnson.   

A reunião de hoje pode ser vista como uma forma de acalmar os ânimos iranianos após as frequentes ameaças de Trump de vetar ou sair do acordo. Já classificado como o "pior do mundo" pelo magnata, o governo norte-americano chegou a fazer uma análise sobre o documento, mas o manteve porque não foram encontrados problemas por parte dos iranianos.   

No entanto, com a onda de protestos, Trump voltou a ameaçar Teerã usando o argumento do acordo nuclear - o que irritou os líderes do país islâmico. China e Rússia, por sua vez, sempre mantiveram seu compromisso com os aliados iranianos. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos