'Gene Jolie' não aumenta chance de morte por câncer no seio

ROMA, 12 JAN (ANSA) - A mutação do gene BRCA, que ficou mundialmente conhecido como o "Gene Jolie" por conta das cirurgias da atriz e diretora Angelina Jolie, não aumenta as chances de morte por conta de um tumor no seio, revelou um estudo da Universidade de Southampton.   

Publicado nesta sexta-feira (12) na revista "Lancet Oncology", o estudo confirma que o gene aumenta em até oito vezes o risco de desenvolver o câncer, mas não tem mais impacto na esperança de sobrevivência de um paciente.   

"Nosso estudo é o maior já publicado e nossos resultados sugerem que mulheres jovens com câncer de mama que tem uma mutação BRCA tem a mesma sobrevivência das mulheres que não carregam a mutação após o tratamento", disse a líder da pesquisa, Diana Eccles.   

O estudo examinou os dados de 2.733 mulheres, entre 18 e 40 anos, que tiveram um diagnóstico de tumor no seio, sendo que 12% delas tinham o "gene Jolie". Dez anos depois do diagnóstico, não sobreviveram ao câncer 651 pacientes, sendo que a mortalidade foi igual nos dois grupos.   

Um terço das mulheres com o BRCA tinha optado pela dupla mastectomia, retirando completamente os seios assim como ocorreu com a atriz, mas esse tipo de procedimento não interferiu na probabilidade de sobrevivência. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos