Um mês após tragédia em Parkland, estudantes fazem protesto

WASHINGTON, 14 MAR (ANSA) - Centenas de estudantes de várias escolas dos Estados Unidos se reuniram nesta quarta-feira (14) diante da Casa Branca para protagonizarem um protesto contra a violência com armas de fogo no país.   

O ato acontece um mês depois que o aluno Nikolas Cruz realizou um massacre em uma escola de Parkland, na Flórida, deixando 17 mortos, entre professores e estudantes, e vários feridos. Em homenagem às vítimas, os alunos permaneceram 17 minutos fora das salas - um minuto para cada pessoa que não sobreviveu à tragédia. O protesto também teve um perfil político, uma vez que massacre reacendeu o debate sobre o controle de armas no território norte-americano.   

Batizada de Paralisação Escolar Nacional, a ação tem o objetivo de pedir ao governo do presidente Donald Trump restringir o acesso às armas, além de proibir a venda de fuzis semiautomáticos, como o modelo AR-15, usado por Cruz.   

De acordo com os organizadores, mais de 3 mil manifestações estão programadas pelo país para também honrar a memória das vítimas que morreram na escola Marjory Stoneman Douglas.   

A Casa Branca, por sua vez, apresentou propostas que preveem não proibir os fuzis semiautomáticos nem elevar a idade de 18 a 21 anos de idade. No entanto, quer autorizar que alguns professores com capacitação militar carreguem armas.   

Ontem (13), a procuradoria da Flórida anunciou que pedirá a pena de morte para o autor do tiroteio do dia 14 de fevereiro. Cruz responde por 17 acusações de homicídio premeditado e outras 17 por tentativa de homicídio, em relação aos feridos. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos