Ex-guarda de Auschwitz é acusado de ajudar em 13 mil mortes

BERLIM, 16 ABR (ANSA) - Um ex-guarda do campo de extermínio de Auschwitz foi acusado de colaborar com o homicídio de mais de 13 mil pessoas, informou o Ministério Público da Alemanha.   

O homem, que não foi identificado, possui 94 anos e serviu em Auschwitz entre dezembro de 1942 e janeiro de 1943. Durante o período, houve aproximadamente 15 transferências em massa para o campo sob sua responsabilidade, totalizando 13.335 prisioneiros mandados diretamente para serem executados nas câmaras de gás de Auschwitz-Birkenau.   

O antigo guarda será julgado no tribunal de Mannheim, local em que mora. No entanto, ele, que tinha 19 anos na época do regime nazista, alega que não sabia da ocorrência de um assassinato em massa.   

Em 2015, o "contador de Auschwitz", Oskar Groening, foi condenado pela sua participação nos homicídios em série durante a Segunda Guerra Mundial. Contudo, Groening morreu antes de cumprir a pena. Cerca de 6 milhões de judeus foram assassinados durante o Holocausto, sob o comando de Adolf Hitler. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos