PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaro extraditará Battisti se Itália pedir,diz Lorenzoni

29/10/2018 19h32

SÃO PAULO, 29 OUT (ANSA) - O futuro ministro da Casa Civil, o deputado federal Onyx Lorenzoni, afirmou nesta segunda-feira (29) que o governo do presidente eleito, Jair Bolsonaro, pretende extraditar o italiano Cesare Battisti desde que haja um pedido da Itália e todas as formalidades legais sejam cumpridas.   

"Já temos homicidas demais no Brasil para ainda ficar aqui alimentando e dando condição de guarida para um homicida que matou muita gente na Itália", disse Lorenzoni durante entrevista à Rádio Eldorado.   

Segundo o deputado, " a lei tem que ser para todos". "Não tenho nenhuma dúvida de que, cumprindo as formalidades legais, o Battisti vai se entender com as autoridades italianas", afirmou.   

Battisti é ex-guerrilheiro do grupo Proletários Armados pelo Comunismo (PAC) e foi condenado por assassinato e terrorismo na Itália. O italiano conseguiu asilo no Brasil graças a uma decisão do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva.   

Após Michel Temer assumir o poder, o governo italiano apresentou um novo pedido de extradição, que foi aceito pela administração brasileira. No entanto, Battisti está garantido, por enquanto, por conta de uma liminar em seu favor emitida pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux, relator do processo que julgará se Temer pode reverter a decisão de Lula. Durante a entrevista, Lorenzoni chegou a relembrar que, na última semana, o deputado ítalo-brasileiro Roberto Lorenzato entregou a Bolsonaro uma correspondência do vice-premier e ministro da Itália, Matteo Salvini, sobre Battisti. Além disso, os dois líderes teriam conversado por telefone para debater o caso. "Ele conversou telefonicamente com Salvini, e o Salvini perguntou se ele fizesse um novo pedido [de extradição]. Ele [Bolsonaro] disse que iria tratar de, cumprindo as formalidades legais, mandar [Battisti para a Itália], porque esse cara é um homicida mesmo, matou gente na Itália, foi condenado não só na Itália como também em cortes internacionais. Então, é evidente.   

O Brasil tem acordo de extradição com a Itália", explicou Lorenzoni.   

Hoje cedo, Salvini afirmou que está pronto para vir ao Brasil pessoalmente para "pegar o terrorista vermelho Cesare Battisti".   

A declaração foi dada um dia depois do ministro ter celebrado a vitória de Bolsonaro no segundo turno das eleições. O presidente eleito já demonstrou sua vontade de extraditar Battisti diversas, inclusive foi uma de suas promessas na campanha eleitoral. "Como já foi falado, reafirmo aqui meu compromisso de extraditar o terrorista Cesare Battisti, amado pela esquerda brasileira, imediatamente em caso de vitória nas eleições", escreveu Bolsonaro em sua conta no Twitter. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.