Topo

Extrema direita obtém resultado histórico na Espanha

03/12/2018 08h40

SÃO PAULO, 03 DEZ (ANSA) - A onda populista de extrema direita atingiu mais um país da União Europeia, a Espanha, que viu uma derrota histórica do Partido Socialista Operário Espanhol (Psoe) em sua maior região, a Andaluzia, no último domingo (2).   

Apesar de ter se confirmado como a legenda mais popular na região, com 27,9% dos votos, o Psoe, do primeiro-ministro Pedro Sánchez, viu sua representação no Parlamento local cair de 47 para 33 cadeiras. Com isso, o partido deve perder a hegemonia na Andaluzia, onde governa há 36 anos.   

A aliança Adiante Andaluzia (AA), parceira do Psoe no governo regional, conquistou 17 cadeiras (16,2% dos votos), mas os dois juntos não conseguirão garantir maioria no Parlamento andaluz (55 assentos).   

Em segundo lugar ficou o conservador Partido Popular (PP), com 20,8% dos votos (26 assentos), enquanto a legenda de centro-direita Cidadãos (CS) saltou de nove para 21 cadeiras (18,3% dos votos).   

A grande novidade é a ascensão do partido populista Vox, que obteve 11% dos votos e 12 assentos no Parlamento da Andaluzia, um feito inédito para a extrema direita na Espanha. A governadora da região, a socialista Susana Díaz, havia antecipado as eleições de março de 2019 para dezembro com o objetivo de garantir mais estabilidade, porém o que se viu foi uma guinada à direita.   

Tanto o candidato do PP, Juan Manuel Moreno, quanto o do CS, Juan Marín, reivindicam o direito de governar a região e não rechaçam uma aliança com o Vox - juntos, os três partidos terão 59 assentos no Parlamento local.   

Díaz, no entanto, fez um apelo por união contra a extrema direita. "Faço um chamado às forças constitucionalistas: vamos parar a extrema direita na Andaluzia. Eu, ao menos, tentarei", disse.   

Assim como outras legendas de extrema direita na União Europeia, o Vox prega uma ideologia ultranacionalista e anti-imigração, conseguindo seu primeiro sucesso na região que é hoje a principal porta de entrada para migrantes e refugiados no bloco.   

Segundo a Organização Internacional para as Migrações (OIM), 52,7 mil deslocados externos já cruzaram o Mediterrâneo Ocidental em 2018, um crescimento de 135% em relação ao mesmo período do ano passado. A rota do Mediterrâneo Central, entre Líbia e Itália, registrou menos da metade de chegadas: 24,2 mil.   

(ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.