PUBLICIDADE
Topo

Casos ativos de covid-19 na Itália caem para menos de 40 mil

Ontem, a Torre de Pisa, na Itália, foi reaberta ao publico com um flashmob que reuniu a população, com distanciamento social, na Piazza dei Miracoli.  - Getty Images
Ontem, a Torre de Pisa, na Itália, foi reaberta ao publico com um flashmob que reuniu a população, com distanciamento social, na Piazza dei Miracoli. Imagem: Getty Images

Da ANSA, em Roma

02/06/2020 13h30

O número de casos ativos do novo coronavírus na Itália caiu para menos de 40 mil pela primeira vez desde 20 de março.

Segundo o balanço diário da Defesa Civil, o país tem atualmente 39.893 pessoas infectadas pelo Sars-CoV-2, sendo que 33.569 estão em isolamento domiciliar, 5.916 estão sob acompanhamento em hospitais, e 408 pacientes estão em UTIs.

Os casos ativos descartam mortos e curados e vêm caindo ininterruptamente na Itália desde 27 de abril. O país também registrou nesta terça o segundo menor número diário de mortes confirmadas desde o início da quarentena, em 10 de março.

Segundo a Defesa Civil, o novo balanço contabiliza 55 vítimas, elevando o total de óbitos para 33.530. Desde o começo da quarentena, o número só não é mais baixo do que as 50 mortes registradas em 24 de maio.

A cifra se explica pelos dados da Lombardia, epicentro da pandemia na Itália e que teve apenas 12 óbitos confirmados nesta terça. O país ainda teve 318 novos casos, 80% a mais que os 178 de ontem, aumentando o total de pessoas infectadas para 233.515. Já a cifra de curados subiu para 160.092.

Os novos dados aumentam o otimismo na Itália para encarar mais uma etapa no relaxamento das medidas de isolamento: a reabertura das fronteiras entre suas regiões, amanhã.

Com isso, os italianos poderão voltar a circular livremente pelo território nacional, o que permitirá o início da retomada do turismo, um dos pilares da economia nacional.

"A partir de amanhã, haverá liberdade de circulação sem condições, mas cada governador deve reforçar os próprios sistemas de prevenção sanitária", declarou o ministro das Relações Regionais da Itália, Francesco Boccia.

Coronavírus