PUBLICIDADE
Topo

China restringe vistos a funcionários dos EUA por Tibete

08/07/2020 08h13

PEQUIM E WASHINGTON, 08 JUL (ANSA) - A China anunciou nesta terça-feira (08) que irá restringir os vistos aos funcionários do governo dos Estados Unidos que se "comportaram mal" sobre a crise diplomática que envolve o Tibete.   

Conforme o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Zhao Lijian, a medida é uma resposta a uma decisão similar anunciada por Washington nesta terça-feira (07). No anúncio, o secretário de Estado, Mike Pompeo, informou que também restringiria vistos aos funcionários chineses como uma forma de pressionar Pequim a liberar visitas de turistas e diplomatas dos EUA à região.   

"Os Estados Unidos buscam um tratamento justo, transparente e recíproco da República Popular da China para os nossos cidadãos", disse Pompeo em nota oficial.   

Esse é mais um capítulo da tensão entre os dois países, que aumentou significativamente durante este ano tanto por conta da pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2) como pelo fato do presidente Donald Trump tentar sua reeleição.   

- Diretor do FBI acusa China: Também nesta terça-feira, o diretor do FBI Christopher Wray usou seu discurso no Hudson Institute de Washington para atacar os chineses, segundo a mídia norte-americana. "A China é a maior ameaça a longo prazo. A China está empenhada em um esforço de todo o Estado para se tornar a única superpotência do mundo com qualquer meio necessário", afirmou aos presentes.   

Wray se baseou na acusação citando os casos de interferências chinesas na campanha de espionagem econômica, furto de dados e corrupção para influenciar a política norte-americana. Conforme seu discurso, o FBI "abre um novo caso de contraespionagem chinesa a cada 10 horas". "Dos cinco mil casos de contraespionagem ativos atualmente em todo o país, quase a metade deles é ligada à China", revelou ainda. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.