PUBLICIDADE
Topo

Governo da Itália aprova pacote de 40 bi de euros para retomada

18/10/2020 09h30

ROMA, 18 OUT (ANSA) - O Conselho de Ministros da Itália aprovou na madrugada deste domingo (18) um pacote de medidas de cerca de 40 bilhões de euros para incentivar a retomada econômica do país, especialmente do Sul, por conta da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2).   

Entre as principais medidas da chamada "Manobra", que entrará na próxima Lei de Orçamento de 2021, está um bônus para as empresas que contratarem pessoas com menos de 35 anos - uma das maiores faixas afetadas pelo desemprego - e incentivos fiscais para as empresas localizadas no Sul da Itália, a área menos desenvolvida economicamente do país.   

Sobre o incentivo para a contratação dos jovens, a ministra do Trabalho, Nunzia Catalfo, afirmou que "essa é uma medida que eu queria fortemente para retomar concretamente a inserção dos jovens no mercado de trabalho, um dos nossos maiores recursos".   

"Na Manobra do Orçamento aprovada agora há ainda outros quatro bilhões de euros para o Serviço Sanitário Nacional. É a estrada certa. Fechamos, definitivamente, a temporada dos cortes e recomeçamos a investir na coisa mais preciosa que temos", escreveu no Facebook o ministro da Saúde, Roberto Speranza.   

Na área da saúde, também será instituído um fundo exclusivo para a compra de vacinas e "para outras exigências relacionadas à pandemia". Serão cerca de 400 milhões de euros por dois anos.   

Além disso, há incentivo para servidores públicos bem como a prorrogação de alguns benefícios para cidadãos e empresas instituídos em caráter emergencial por conta da pandemia de Covid-19.   

Outro ponto importante é a destinação de 6,1 bilhões de euros para escolas, universidades e centros de estudos italianos, com a destinação inicial de 1,2 bilhões de euros para a contratação de 25 mil professores.   

A finalização da Manobra deve ainda levar cerca de 10 dias, mas os pontos principais não devem ser alterados, segundo fontes do governo. (ANSA).   

Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.