PUBLICIDADE
Topo

Filme sobre Totti estreia nesta segunda nos cinemas da Itália

19/10/2020 13h16

ROMA, 19 OUT (ANSA) - O filme "Mi chiamo Francesco Totti" ("Eu me chamo Francesco Totti"), do diretor Alex Infascelli, foi exibido na 15ª edição do Festival de Cinema de Roma. O longa sobre o ex-craque giallorosso chega às salas como um "evento especial" a partir desta segunda-feira (19).   


O longa, que é baseado no livro "Un Capitano", escrito pelo ídolo da Roma com o jornalista Paolo Condò, é situado na noite anterior da aposentadoria de Totti. O ex-atleta relembra sua carreira como se estivesse assistindo em uma tela com outros espectadores.   


O epicentro do filme é a relação entre o ex-jogador com a capital italiana, que o viu nascer em 1976, crescer e triunfar com a camisa da Roma. Ele também mostra a fidelidade de Totti, que recusou ofertas do Real Madrid para seguir defendendo os giallorossi. O longa recebeu muitos aplausos após a exibição para a imprensa.   


Em decorrência da morte do pai, Enzo, Totti não participou da pré-estreia do documentário. Infascelli, que esteve na coletiva de imprensa, comentou sobre a ausência do ex-craque.   


"Parece mais um capítulo do que Francesco é, mais uma confirmação de que ele queria que o filme falasse na sua ausência, também porque foi muito contado sobre ele e não teria muito a acrescentar", declarou o diretor de "Mi chiamo Francesco Totti".   


Infascelli também falou sobre algumas passagens curiosas durante as filmagens do longa.   


"Quando nos conhecemos, fizemos as filmagens no estádio. Já durante a montagem, construí uma estrutura de filme dividida em três atos. Na fase avançada das gravações, chegou o Totti, porque eu queria ter um banco de imagens para mostrar a ele.   


Prometi que não iria filmar, mas que apenas capturaria o áudio, então o coloquei em um sofá em uma sala escura, com o microfone levantado, e um café na frente. Começamos a conversar por horas, primeiro tentei seguir meu roteiro, depois Francesco foi para lugares absurdos em sua consciência e coloquei esse fluxo de consciência no filme", declarou o diretor italiano.   


"Não queria ir ao Totti jogador, mas ao homem. Eu disse a ele que não sei nada de futebol e ele me disse que 'sou perfeito'.   


Acredito que Francesco já estava maduro para esse compromisso, queria trilhar esse caminho, e me encontrei no lugar certo e na hora certa, tudo o que nasceu no filme vem do Francesco", acrescentou Infascelli.   


O diretor comparou Totti ao ex-cantor Kurt Cobain, do Nirvana, e declarou que a fé católica do ex-jogador teve uma grande importância no filme.   


" A figura de Cristo não difere muito de Kurt Cobain ou de Totti, porque os três percorreram desde cedo caminhos semelhantes, ainda que cada um no seu mundo. Vejo um relacionamento, porque eles eliminaram o ego para cumprir uma missão. Totti vem de uma família muito católica, tinha o Padre Pio ao lado da cama, sabia que estava cumprindo uma missão.Não procurei outras vozes, dissidentes ou contrários, é como um tema escolar, a simplicidade de uma pessoa simples", finalizou o diretor.   


Após sua apresentação no Festival de Cinema de Roma, os fãs do ex-craque giallorosso poderão assistir o longa nas telonas entre segunda (19) e quarta-feira (21).   


Aposentado em 2017, Totti defendeu a Roma por mais de 24 anos e liderou o time na conquista de seu último "Scudetto", em 2001.   


Em todo esse período, disputou mais de 780 partidas e marcou 307 gols, além de ter sido campeão mundial com a Itália em 2006.   


(ANSA).   


Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.