PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Biden fará 'blitz' de decretos para reverter ações de Trump

Presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden - Roberto Schmidt/AFP
Presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden Imagem: Roberto Schmidt/AFP

17/01/2021 14h38

Resumo da notícia

  • Segundo imprensa americana, presidente eleito dos EUA assinará 10 decretos em até 10 dias para abolir medidas de antecessor
  • Biden deve reverter proibição de entrada nos EUA de imigrantes de alguns países muçulmanos e saída do Acordo de Paris sobre clima
  • Biden também vai firmar decretos para reunir famílias separadas na fronteira mexicana e determinar uso obrigatório de máscaras em alguns casos

O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, vai promover uma "blitz" de decretos em seus primeiros dias de governo para reverter decisões tomadas por Donald Trump em seus quatro anos de mandato.

Segundo a imprensa americana, o democrata assinará 10 decretos em um período de no máximo 10 dias para abolir medidas controversas de seu antecessor, como a proibição de entrada nos EUA de imigrantes de alguns países muçulmanos e a saída do Acordo de Paris sobre o clima.

Além disso, Biden vai firmar decretos para reunir famílias separadas na fronteira mexicana, determinar uso obrigatório de máscaras em propriedades federais e em viagens interestaduais e suspender despejos e execuções hipotecárias em âmbito nacional.

O presidente eleito ainda planeja enviar ao Congresso um pacote de US$ 1,9 trilhão para estimular a economia, incluindo o aumento do salário mínimo de US$ 7,25 para US$ 15 por hora.

Biden também promete vacinar 100 milhões de pessoas contra a Covid-19 nos primeiros 100 dias de governo.

A cerimônia de posse está marcada para 20 de janeiro, em meio à tensão provocada pela invasão do Congresso por apoiadores de Trump, que não participará da transição.

Todos os 50 estados americanos estão em alerta para possíveis atos de violência no dia da posse, e o atual presidente já declarou emergência em Washington até 24 de janeiro. (ANSA).