PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
1 mês

Itália tem mais 13.633 casos e 472 mortes por covid-19

Itália: Enfermeiras do hospital de Cremona recebem dose da vacina neste domingo - POOL/REUTERS
Itália: Enfermeiras do hospital de Cremona recebem dose da vacina neste domingo Imagem: POOL/REUTERS

22/01/2021 14h35

A Itália registrou nesta sexta-feira (22) mais 13.633 casos e 472 mortes na pandemia do novo coronavírus, elevando os totais de contágios e óbitos para 2.441.854 e 84.674, respectivamente.

O novo boletim foi divulgado pelo Ministério da Saúde e apresenta uma queda no número de casos e mortes em relação a sexta-feira passada, quando haviam sido contabilizados 16.146 diagnósticos positivos e 477 vítimas.

Por conta disso, a média móvel de contágios em sete dias caiu de 13.120 na quinta-feira (21) para 12.761 nesta sexta, menor valor desde 22 de outubro, enquanto a de óbitos oscilou de 479 para 478. A Itália também soma 1.855.127 pacientes curados e 502.053 casos ativos.

O país iniciou sua campanha de vacinação em 27 de dezembro e, até o momento, já imunizou cerca de 1,3 milhão de pessoas, sendo que 36.358 receberam as duas doses.


Desaceleração

Após cinco semanas consecutivas de crescimento, o índice de transmissibilidade do novo coronavírus voltou a cair na Itália, passando de 1,09 para 0,97, segundo o monitoramento semanal do Instituto Superior da Saúde (ISS).

Isso significa que um infectado contamina, em média, menos de uma pessoa. "O fato de que a diminuição leva em conta casos diagnosticados também com testes rápidos é um sinal de melhora epidemiológica", diz o relatório.

O Ministério da Saúde passou a incluir apenas na semana passada resultados de testes rápidos de antígeno em seus balanços diários, que até então contabilizava apenas exames RT-PCR. Os primeiros detectam a proteína viral no organismo, enquanto os segundos, considerados o "padrão ouro", buscam o material genético do Sars-CoV-2.

"Observa-se uma diminuição do risco de uma pandemia descontrolada", acrescenta o ISS, ressaltando a importância de manter as "medidas de mitigação" nessa fase de desaceleração para evitar um novo repique.

Coronavírus