PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Ex-premiê da Itália volta a dar aulas em universidade

20.mai.2020 - Ex-primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, com máscara de proteção contra a covid-19 - Mondadori Portfolio via Getty Images
20.mai.2020 - Ex-primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, com máscara de proteção contra a covid-19 Imagem: Mondadori Portfolio via Getty Images

26/02/2021 13h35

O ex-primeiro-ministro da Itália Giuseppe Conte, que deixou o comando do governo no último dia 13 de fevereiro, retomou nesta sexta-feira (26) seu cargo de professor na Universidade de Florença.

Docente de direito privado, o advogado e agora político deu uma aula por streaming para alunos da instituição florentina e já tem programação para o primeiro semestre deste ano.

"O dia de hoje marca meu retorno à comunidade acadêmica florentina, na qual transcorri longos anos. Recebi com alegria e emoção o convite para dar esta aula, a qual dedico a todos os estudantes", declarou Conte.

O tema da aula foi "Tutela da saúde e salvaguarda da economia: lições da pandemia", e o ex-premiê discorreu sobre sua experiência como chefe de governo no enfrentamento do novo coronavírus.

"As primeiras avaliações empíricas deixaram claro que a tutela prioritária da saúde permitiu defender melhor também o tecido produtivo do país e que as economias mais resilientes são aquelas onde foram adotadas medidas de contenção, acompanhadas de intervenções em apoio a famílias e empresas", disse Conte.

O ex-primeiro-ministro dará aulas, conferências e seminários nos cursos de graduação em direito e pós-graduação em ciências jurídicas na Universidade de Florença.

Trajetória - Desconhecido da maioria dos italianos até o primeiro semestre de 2018, Conte assumiu o cargo de premiê em 1º de junho daquele ano, sem ter sido eleito para o Parlamento.

Seu nome foi indicado pelo partido populista Movimento 5 Estrelas (M5S) para chefiar o governo de aliança com a ultranacionalista Liga, que duraria até setembro de 2019, quando a extrema direita rompeu a coalizão.

Em seguida, Conte liderou uma aliança do M5S com partidos de centro e esquerda, mas foi forçado a renunciar em janeiro passado, quando o também ex-premiê Matteo Renzi retirou seu apoio ao governo.

Conte ainda permaneceu no cargo de primeiro-ministro até 13 de fevereiro, quando o economista Mario Draghi tomou posse. Durante as negociações para o novo Executivo, jornais italianos especularam que o ex-premiê poderia assumir um ministério na gestão Draghi, o que não se confirmou.

Atualmente, expoentes do M5S tentam convencer Conte a se filiar formalmente para ser um dos líderes do partido.

Internacional