PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Israel corrige informação e afirma que não entrou em Gaza

14/05/2021 09h36

TEL AVIV, 14 MAI (ANSA) - O Exército de Israel corrigiu a informação de que tropas do país avançaram por terra na Faixa de Gaza e que mantém apenas ataques aéreos contra os grupos palestinos.   

"A aviação e as tropas terrestres estão, atualmente, conduzindo ataques aéreos em objetivos no interno da Faixa de Gaza. Houve um problema de comunicação", disse o porta-voz militar, tenente Jonathan Conricus.   

Ainda conforme o representante, cerca de dois mil foguetes vindos da Faixa de Gaza foram interceptados pelo sistema Iron Dome, que destrói os equipamentos ainda no ar. Por sua vez, o Exército atingiu 150 "objetivos subterrâneos" entre os 160 ataques realizados durante a noite desta quinta-feira (13) e a madrugada desta sexta-feira (14).   

A situação, mesmo que não tenha invasão por terra, continua a se agravar e o Ministério da Saúde de Gaza informou que as mortes somam 119, incluindo 31 crianças e 19 mulheres. Os feridos já estão em 830.   

O conflito entre palestinos e Israel também deixa vítimas em território israelense, mas os dados não são oficiais. Os jornais locais falam entre oito e 15 vítimas.   

Manifestações internacionais - Novamente, diversos países têm se manifestado sobre o embate e, dessa vez, as falas mais contundentes vieram de nações rivais de Israel.   

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, chamou o governo israelense de "terrorista" e disse que "o Conselho de Segurança deve tomar medidas rapidamente no quadro das resoluções da assembleia geral da Organização das Nações Unidas".   

Na mesma linha, o conselheiro de Erdogan, Ibrahim Kalin, afirmou que "os ataques israelenses sobre os palestinos são contrários ao direito internacional e à moralidade e devem ser encerrados imediatos".   

Já o chefe do Estado Maior do Irã, general Mohammad Hossein Baqeri, afirmou que os atores regionais e as organizações internacionais devem criar uma "coalizão estratégica" para enfrentar a questão palestina como um "problema comum do mundo islâmico".   

Baqeri ainda condenou "as atividades criminosas do regime sionista, que nos últimos dias matou e feriu muitos palestinos, incluindo mulheres e crianças indefesas".   

Por sua vez, os principais aliados dos israelenses, como Estados Unidos e União Europeia, continuam a pedir que ambos os lados cessem os ataques e retomem o processo de negociações para encontrar uma solução de paz duradoura.   

Ataques a sinagogas - Algumas sinagogas na Alemanha foram alvos de ataques durante a semana por conta do novo conflito entre Israel e palestinos. O governo alemão se manifestou nesta sexta-feira para condenar esse tipo de ação.   

Segundo o porta-voz da chanceler Angela Merkel, Steffen Seibert, "manifestar dissenso pacificamente" na Alemanha é garantido como livre manifestação do pensamento, "mas quem usa as manifestações para exprimir ódio, abusa desse direito".   

A vice-presidente da Comissão Europeia, Margaritis Schinas, afirmou estar "profundamente preocupado pelos recentes ataques contra a comunidade e sedes judaicas na União Europeia".   

"Essas são claras manifestações de antissemitismo que devem ser condenadas com forte voz. Estamos com as nossas comunidades judaicas e pedimos aos nossos Estados que permaneçam vigilantes pela sua segurança", acrescentou. (ANSA).   

Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.