PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Itália tem maior número de casos de covid-19 desde o fim de maio

Itália volta a registrar aumento de infectados pelo novo coronavírus - REUTERS/Remo Casilli
Itália volta a registrar aumento de infectados pelo novo coronavírus Imagem: REUTERS/Remo Casilli

17/07/2021 11h57

A Itália registrou mais 3.121 casos de Covid-19 nas últimas 24 horas, no maior dado registrado no país desde o dia 29 de maio, informou o Ministério da Saúde neste sábado (17). Com isso, são 4.284.332 contágios desde o início da crise sanitária.

Os boletins diários do governo vêm mostrando a inversão de tendência nas contaminações após uma forte queda registrada até maio.

Segundo especialistas, os números estão aumentando por conta da flexibilização das regras sanitárias, como a não obrigatoriedade do uso de máscaras ao ar livre, como pela disseminação de casos da variante Delta - que, no início do mês de julho, já representava mais de 20% dos contágios.

A alta nesses números, inclusive, já é esperada pelo Ministério da Saúde para as próximas semanas. O ministro Roberto Speranza afirmou que o governo, inclusive, vai dar menos peso para a quantidade de contágios e mais para o índice de ocupação hospitalar quando for analisar a necessidade de endurecer ou afrouxar as regras sanitárias nas regiões.

A troca do índice principal é provocada tanto pelo avanço da vacinação da população, que já está próximo dos 50% totalmente imunizados, como da média das mortes se manter estável.

Neste sábado, foram 13 as vítimas registradas, elevando para 127.864 a quantidade de mortes desde o início do ano passado. A média dos últimos dias está estável em 14 falecimentos diários.

Já os testes realizados somaram 244.797 e a taxa de positividade caiu para 1,3%. O número de recuperados em 24 horas somou 2.328 e está em 4.112.977.

Os casos ativos, que desconsideram óbitos e curas, voltaram a subir (+777) e chegaram a 43.491. Destes, 42.218 estão em isolamento domiciliar, 1.111 estão sob observação médica e 162 em unidades de terapia intensiva (UTIs). (ANSA).

Coronavírus