PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Em vídeo, vice-premiê do Afeganistão nega briga entre ministros

A "entrevista" foi republicada nas redes sociais após inúmeros rumores da mídia local e internacional informarem que ele estava hospitalizado em Kandahar e sob a proteção do Paquistão - Karim Jaafar / AFP
A "entrevista" foi republicada nas redes sociais após inúmeros rumores da mídia local e internacional informarem que ele estava hospitalizado em Kandahar e sob a proteção do Paquistão Imagem: Karim Jaafar / AFP

Em Roma

16/09/2021 09h50

O vice-primeiro-ministro do Afeganistão, Abdul Ghani Baradar, apareceu em um vídeo hoje e negou que tenha sido internado após uma briga com ministros do governo do Talibã que pertencem à Rede Haqqani.

A "entrevista" foi republicada nas redes sociais após inúmeros rumores da mídia local e internacional informarem que ele estava hospitalizado em Kandahar e sob a proteção do Paquistão.

"Estou bem e com saúde. Estava fora de Cabul e não tinha acesso à internet para rebater essas notícias falsas", disse Baradar sem explicar qual o motivo de ter ficado tanto tempo longe da sede do poder. "Graças à Alá nós temos uma boa relação entre nós e nos respeitamos. As nossas relações são ainda melhores do que de uma família", acrescentou.

Fontes que pediram anonimato informaram que Baradar estaria irritado por conta da formação do novo governo do Afeganistão, anunciado oficialmente em 7 de setembro, que estaria muito "radical" e pouco "diplomático".

Os principais problemas estariam relacionados com a Rede Haqqani, um dos braços armados do grupo Talibã, e com o ministro do Interior, Serajuddin Haqqani, que lidera a organização bélica. Essas fontes informaram que houve uma grave briga dentro do palácio presidencial entre os dois e apoiadores do líder da pasta do Interior.

Por conta disso, Baradar teria sido retirado de Cabul e levado para um hospital de Kandahar para tratamento. Familiares ainda informaram que não tinham informações do vice-premiê há dias.

Baradar é um dos cofundadores do Talibã e foi o líder das negociações diplomáticas que culminaram com o acordo de retirada dos Estados Unidos e das forças ocidentais do país após 20 anos de guerra.

Um dos principais motivos que suscitaram dúvidas sobre o estado de saúde do vice-líder, com alguns falando em até em morte, é que no fim de semana um grupo de representantes do governo do Catar - aliado dos talibãs - não foi recebido por Baradar, que é a principal figura diplomática do novo governo.

Na "entrevista", o representante afirmou que não compareceu ao encontro porque o governo do Catar não informou a visita com antecedência.

Internacional