PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Campanha atinge meta para plebiscito sobre maconha na Itália

18/09/2021 10h15

ROMA, 18 SET (ANSA) - Uma semana após seu lançamento, a coleta de assinaturas para convocar um plebiscito sobre a descriminalização do cultivo e consumo de maconha na Itália atingiu a meta de 500 mil signatários neste sábado (18).   

A iniciativa, criada por um grupo de partidos e associações da Itália, precisava reunir o apoio de 500 mil cidadãos até o fim de setembro para forçar a realização de uma consulta popular na primavera de 2022.   

Esta é a primeira vez que a coleta de assinaturas italianas é realizada inteiramente online, no site referendumcannabis.it.   

Apesar de atingir a meta, os organizadores fizeram um apelo para conseguir 15% a mais de assinaturas por segurança.   

"Este é um resultado extraordinário mas não surpreendente.   

Durante muito tempo foi necessária uma intervenção sobre o tema da maconha e com a assinatura digital em poucos dias o tema explodiu", explicam os promotores do plebiscito..   

Para o grupo, "a velocidade da mobilização confirma o desejo para a mudança sobre a maconha, mas também para a participação nas decisões sobre assuntos que afetam as pessoas diretamente".   

"Agora, porém, precisamos coletar mais 15% de assinaturas para ter certeza de poder entregar o referendo à Corte em 30 de setembro", acrescentaram.   

O comitê ainda pediu desculpas pela lentidão no portal devido ao grande afluxo de assinaturas coletadas. Em uma semana, o grupo de partidos e associações da Itália também conseguiu arrecadar 145 mil euros dos cerca de 500 mil necessários. Cada assinatura digital tem um custo de 1,05 euro.   

A campanha é organizada por associações contra o proibicionismo e conta com o apoio dos partidos Radicais Italianos, de orientação libertária, Mais Europa, de centro, e Possível, de esquerda.   

De acordo com os organizadores, "existem 6 milhões de usuários de maconha na Itália, incluindo muitos pacientes deixados sozinhos pelo Estado na impossibilidade de receber tratamentos [à base de cannabis]. Esses italianos têm apenas duas opções: financiar o mercado criminal ou cultivar maconha em casa, arriscando até seis anos de prisão".   

A meta é atingida cerca de 10 dias depois da Comissão de Justiça da Câmara dos Deputados da Itália aprovar o texto-base de um projeto de lei que descriminaliza o cultivo caseiro de até quatro plantas de maconha, mas a iniciativa ainda precisa passar pelo plenário e depois pelo Senado, onde deve enfrentar resistência de partidos conservadores. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.