PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Johnson assume responsabilidade e se desculpa por 'partygate'

Novas fotos reforçam acusações de festas de Boris Johnson durante a pandemia - Reuters
Novas fotos reforçam acusações de festas de Boris Johnson durante a pandemia Imagem: Reuters

Ansa

25/05/2022 19h12

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, assumiu hoje "total responsabilidade" pelas festas em Downing Street durante o período de isolamento por conta da pandemia de covid-19, entre 2020 e 2021, e reiterou seu pedido de desculpas.

Segundo o britânico, sua participação nas festas, porém, "não infringiu as regras", exceto pelo evento de aniversário. "Assumo total responsabilidade por tudo o que aconteceu na minha presença", disse ele ao Parlamento, ressaltando que todos devem "assumir a responsabilidade".

A declaração de Johnson foi dada após a publicação de um relatório interno da alta funcionária Sue Gray sobre o escândalo envolvendo festas na sede do governo durante a emergência sanitária, conhecido como "partygate".

No documento de 37 páginas constam nove imagens sobre as festas, incluindo quatro da festa de aniversário de Johnson, realizada em junho de 2020 e que resultou em uma multa ao premiê e ao chefe do Tesouro, Rishi Sunak.

Já as outras fotos são da festa de despedida do então diretor de Comunicação do governo, o ex-jornalista Lee Cain, em novembro de 2020. O evento, que também contou com a presença de Johnson, aconteceu poucos dias depois do anúncio de um segundo confinamento no país devido à pandemia de Covid-19.

"Muitos desses eventos não deveriam ter acontecido", diz o relatório, sustentando que "alguns dos funcionários menos experientes consideraram admissível sua participação diante da presença de alto líder" e condenando o excesso de álcool na sede institucional.

As fotos revelam Johnson levantando um copo e conversando com várias pessoas ao redor de uma mesa com garrafas de vinho e comida, em um momento em que as reuniões sociais estavam proibidas.

Em duro discurso na Câmara dos Comuns, o líder da oposição trabalhista, Keir Starmer, ressaltou que está na hora do premiê conservador "fazer as malas" e renunciar porque "o jogo acabou".

Segundo Starmer, aqueles que fingem fazer as leis e violá-las ao mesmo tempo não podem permanecer em seu lugar.