PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Otan assina amanhã protocolo para adesão de Suécia e Finlândia

O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, gesticula durante entrevista coletiva na véspera de uma cúpula da Otan, em meio à invasão russa da Ucrânia, em Bruxelas, Bélgica, 23 de março de 2022 - Gonzalo Fuentes/Reuters
O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, gesticula durante entrevista coletiva na véspera de uma cúpula da Otan, em meio à invasão russa da Ucrânia, em Bruxelas, Bélgica, 23 de março de 2022 Imagem: Gonzalo Fuentes/Reuters

04/07/2022 07h53Atualizada em 04/07/2022 08h12

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) anunciou que os protocolos para adesão de Finlândia e Suécia serão assinados pelos Estados-membros nesta terça-feira (5), na sede da aliança militar, em Bruxelas.

Após a assinatura, prevista para ocorrer por volta de 11h30 (horário local), o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, e os ministros das Relações Exteriores da Finlândia, Pekka Haavisto, e da Suécia, Ann Linde, terão uma coletiva de imprensa conjunta.

Os líderes dos países-membros formalizaram o convite a Helsinque e Estocolmo no último dia 29 de junho, após a Turquia ter retirado suas objeções ao ingresso das duas nações escandinavas, a quem acusava de dar abrigo a separatistas curdos.

Ancara diz que vai enviar pedidos de extradição referentes a 33 membros do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) e do grupo acusado de envolvimento com o golpe fracassado de 2016, sendo que 21 estão na Suécia, e 12, na Finlândia.

Helsinque e Estocolmo mantinham uma histórica política de neutralidade militar entre o Ocidente e a Rússia, porém abandonaram essa estratégia depois da invasão à Ucrânia.

A guerra movida pelo regime de Vladimir Putin levantou temores de ataques contra outros países europeus que hoje não fazem parte da Otan, como é o caso da própria Ucrânia.

Moscou, por sua vez, já disse que o ingresso de Suécia e Finlândia na Otan não representa por si só uma ameaça, mas deixou claro que sua reação vai depender da presença militar da aliança nesses países.

Internacional