PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Após saída de Boris Johnson, Zelensky agradece apoio 'em momentos difíceis'

17.jun.2022 - O primeiro-ministro britânico Boris Johnson e o presidente da Ucrânia Volodymyr Zelensky caminham na Praça Mykhailivska, enquanto o ataque da Rússia à Ucrânia continua, em Kyiv, na Ucrânia - Serviço de Imprensa Presidencial Ucraniano/Divulgação via REUTERS
17.jun.2022 - O primeiro-ministro britânico Boris Johnson e o presidente da Ucrânia Volodymyr Zelensky caminham na Praça Mykhailivska, enquanto o ataque da Rússia à Ucrânia continua, em Kyiv, na Ucrânia Imagem: Serviço de Imprensa Presidencial Ucraniano/Divulgação via REUTERS

07/07/2022 10h00Atualizada em 07/07/2022 10h20

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, agradeceu formalmente nesta quinta-feira (7) ao premiê britânico, Boris Johnson, por seu apoio durante a guerra iniciada pela Rússia contra o país. O líder inglês anunciou sua renúncia do cargo horas antes por conta de uma crise política interna.

"Obrigado a Johnson por seu apoio em nossos momentos mais difíceis", informou o mandatário por meio de comunicado da Presidência.

Quem também se manifestou foi o principal conselheiro de Zelensky, Mykhailo Podolyak, que postou um vídeo e mensagens de agradecimento lembrando que Johnson foi um dos primeiros a culpar o presidente russo, Vladimir Putin, pela guerra e visitou Kiev "mesmo com os ataques aéreos".

Zelensky se aproximou muito de Johnson desde o início dos ataques russos, em 24 de fevereiro, e por mais de uma vez chamou o líder britânico de "amigo" por seu apoio.

Por sua vez, o então premiê foi duas vezes a Kiev para se reunir pessoalmente com o mandatário e sempre esteve entre as vozes mais atuantes na defesa das sanções contra a Rússia e no envio de armas para as forças ucranianas.

Johnson anunciou sua renúncia do cargo de premiê nesta quinta-feira em meio a uma debandada de mais de 50 ministros e altos funcionários do governo por conta de mais um escândalo político. O líder dos conservadores indicou um ministro e assessor acusado de má conduta sexual sabendo de seu comportamento.

Internacional