Líder de gangues no Haiti quer negociar com governo, diz mídia

BUENOS AIRES, 24 JUN (ANSA) - Em meio a uma onda de violência no Haiti, o líder das gangues do país caribenho, Jimmy "Barbecue" Cherizier, se disponibilizou a iniciar um diálogo com o governo após o Quênia afirmar que enviará um contingente de agentes especiais.   

De acordo com o portal de notícias The Kenyans, Barbecue deu um passo para trás depois de ameaçar que iniciaria uma guerra no Haiti em caso de envio das forças africanas ao país centro-americano.   

"Ele sublinha que a sua organização está disposta a permanecer confinada suspendendo as patrulhas de rua, além de dar ao povo a liberdade de retomar uma vida normal e trazer paz ao país após anos de guerra interna", informou o portal.   

A Força Multinacional de Assistência à Segurança (MMSS), liderada por Nairóbi, pretende levar em um primeiro momento ao menos 2,5 mil homens de várias nações ao Haiti.   

O presidente do Quênia, William Ruto, se reuniu com um grupo de 400 policiais que vão partir amanhã (25) para Porto Príncipe.   

O político defendeu que a presença deles "oferecerá alívio aos cidadãos".   

A missão, autorizada pela Organização das Nações Unidas (ONU), tem como objetivo ajudar a polícia haitiana a proteger as principais infraestruturas do país e a lutar contra os grupos criminosos, que controlam quase toda a região da capital.   

A ONU disse que entre janeiro e março mais de 2,5 mil pessoas foram mortas ou feridas em razão da violência na nação, enquanto pelo menos 95 mil fugiram de Porto Príncipe. (ANSA).   

Continua após a publicidade

Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.

Deixe seu comentário

Só para assinantes