Brasil vai treinar países pobres para monitorar desmatamento por satélite

O Brasil vai repassar a países pobres em todo o mundo a metodologia que desenvolveu para detectar desmatamento por meio de imagens de satélite, a partir de um acordo assinado nesta quinta-feira durante a reunião das Nações Unidas sobre o clima, na Dinamarca.

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) fechou um convênio com a FAO, a agência para Alimentação e Agricultura das Nações Unidas, que deve capacitar técnicos em países pobres para analisar imagens de satélite com o método Prodes, desenvolvido para monitorar a floresta amazônica brasileira.

A colaboração do Inpe com a FAO faz parte de um conjunto de iniciativas das Nações Unidas que pode tornar realidade projetos de redução de emissões por desmatamento e degradação em países em desenvolvimento (Redd).

O mecanismo, que está sendo discutido pelos 192 países que participam da reunião sobre mudanças climáticas, poderia viabilizar o pagamento por serviços ambientais a comunidades que vivem em áreas de floresta.

Obstáculos Um dos maiores obstáculos para a realização de projetos de Redd é justamente a dificuldade em se verificar a sua eficácia. Por meio da análise de imagens por satélite, essa tarefa é facilitada.

De acordo com o diretor-executivo do Inpe, Gilberto Câmara, os futuros técnicos serão treinados no novo centro regional para a Amazônia, do Inpe, em Belém.

O país também vai oferecer acompanhamento dos técnicos formados no Pará.

"A ideia é que cada país, como o Gabão, tenha o seu sistema MRV (sigla em inglês para mensurável, reportável e verificável - que, no jargão, significa um sistema reconhecido internacionalmente) e possa aprender com o Brasil", afirmou Câmara.

O país será um dos parceiros do programa da FAO para criar um sistema de informações global.

Bem-humorado, Câmara brincou ao ser indagado se o Brasil faria uma consultoria.

"Nós vamos capacitar. Consultor cobra caro." O sistema Prodes (Programa de Cálculo do Desflorestamento da Amazônia) vem sendo usado desde 1988 para medir o desmatamento da Amazônia.

O programa começou com a análise de fotos analógicas, mas em 2003, com o advento de imagens digitais, passou a ser auxiliado por sistemas de computador.

O governo brasileiro já tem convênios com países da bacia amazônica para ajudá-los a desenvolver metodologias de monitoramento do desmatamento.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos