Bairro que abrigará seleção brasileira é antítese de África do Sul pós-apartheid

Se Nelson Mandela, símbolo da luta por igualdade racial, é a cara desta Copa na África do Sul, com seu rosto estampado em vários cartazes e propagandas por Johanesburgo, a seleção brasileira não poderia ter escolhido um lugar mais diferente e distante desta imagem como sua base na cidade. A região de Randburg, no norte de Johanesburgo, é o completo oposto da imagem sul-africana projetada por Mandela - que abriu, na cidade, o primeiro escritório de advogados negros no país nos anos 50. Randburg, onde a seleção brasileira ficará hospedada e treinará durante a Copa do Mundo, era, na época do apartheid, quase que exclusivamente ocupado por sul-africanos ricos e brancos. Hoje, Randburg ainda é um bairro majoritariamente branco e rico, apesar de o regime segregacionista ter sido abolido há mais de vinte anos e de a região contar com moradores da emergente classe média alta negra. Randburg é uma mistura de área rural com zona nobre urbana. As grandes mansões e a enorme área verde dividem espaço com prédios comerciais luxuosos e ricos shopping centers. O Brasil passará a maior parte da Copa em Randburg, já que a maioria dos seus jogos devem ser disputados em Johanesburgo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos