Militantes somalis ameaçam torcedores que querem ver jogos da Copa

Militantes islâmicos na Somália ameaçaram dar chicotadas públicas em torcedores de futebol que forem flagrados assistindo a jogos da Copa do Mundo no país.

Várias gangues islâmicas estariam patrulhando as áreas controladas por eles à procura de pessoas que estejam vendo algum jogo de futebol.

Torcedores fanáticos estão assistindo secretamente aos jogos ou vão para as poucas áreas controladas pelo governo somali.

No último sábado, militantes mataram duas pessoas ao atacar uma casa onde as pessoas viam um jogo.

Prisão O grupo militante Hizbul-Islam também prendeu outras dez pessoas em uma casa a nordeste da capital, Mogadíscio, onde torcedores acompanhavam a partida entre Argentina e Nigéria.

O porta-voz do grupo Sheikh Mohamed Abdi Aros disse que o resto da Somália deveria respeitar a proibição da Copa do Mundo.

"Nós estamos alertando todos os jovens da Somália a não ousar ver estes jogos da Copa do Mundo. É uma perda de dinheiro e tempo, e eles não vão se beneficiar de nenhuma forma ou ganhar alguma experiência assistindo a homens loucos pulando para cima e para baixo", disse ele.

Os torcedores fanáticos acabam tendo poucas opções de locais para acompanhar aos jogos, já que o grupo Al-Shabab, inspirado na Al-Qaeda, também teria proibido os jogos.

Um cinema em uma pequena região da capital controlada pelo governo virou um local popular entre os torcedores.

Som baixo Um homem, que vive em uma área controlada por militantes, disse à BBC que estava acompanhando o jogo entre Argélia e Eslovênia em casa com a família.

"Eu fico com um olho na TV e outro na porta, e com o som baixo", disse ele.

A proibição foi instituída por causa de uma lei introduzida pela União das Cortes Islâmicas, que assumiu o controle da maior parte da Somália durante seis meses em 2006.

Ela não permite aos somalis qualquer tipo de entretenimento considerado não-islâmico, de acordo com a interpretação severa da lei Sharia, como videogames e assistir a torneios esportivos em público.

De acordo com o correspondente da BBC Mohammed Olad Hassan, poucos somalis têm condições de pagar uma TV por satélite, portanto as transmissões públicas são muitas vezes a única forma que as pessoas têm de ver os jogos.

No vale Juba as milícias rebeldes foram além, dizendo que jovens não deveriam assistir a futebol - nem na privacidade de suas casas - porque "iria distrai-los de seguir a jihad (guerra civil)".

Transferência Uma empresa particular transmissora dos jogos, a Universal TV, transferiu suas operações de uma área controlada por militantes para o aeroporto fortemente protegido da capital somali para evitar que o equipamento seja destruído em ataques durante o torneio.

A transferência foi feita durante a noite, já que a televisão já estava sendo atacada por militantes islâmicos.

O grupo Al-Shabab, inspirado na Al-Qaeda, declarou a Universal TV "inimiga do Islã" por supostamente ter transmitido imagens do profeta Maomé.

Desde então, o Al-Shabab proibiu estações de rádio de transmitir música e ameaçou várias outras estações.

Apesar de a União das Cortes Islâmicas ter sido expulsa pelas forças apoiadas pelo governo da Etiópia, vários grupos militantes, como o Al-Shabab, assumiram o controle do sul da Somália e a maior parte de Mogadíscio.

O governo, apoiado por forças de paz da União Africana, controla apenas uma pequena área da capital.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos