Topo

Estado Islâmico toma cidade histórica na Síria

Marcel Vincenti/UOL
Imagem: Marcel Vincenti/UOL

20/05/2015 10h31Atualizada em 20/05/2015 15h17

Militantes do grupo extremista que se autodeclara "Estado Islâmico" tomaram o norte da antiga cidade de Palmira, na Síria, considerada Patrimônio Histórico da Humanidade pela Unesco - órgão das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura.

O grupo que monitora a área - Observatório Sírio para Direitos Humanos - disse que um terço de Palmira já foi tomado.

Localizada no meio do deserto e próxima a um oásis, Palmira contém as monumentais ruínas de uma cidade que foi um dos mais importantes centros culturais do mundo, segundo a Unesco.

Os membros do EI dominaram a região de Tadmur na quinta-feira, localizada em uma rota estratégica leste-oeste próximo a Palmira, e já tinham a intenção de avançar rumo à cidade histórica, mas foram contidos pelo Exército da Síria.

Agora, há um temor de que o Estado Islâmico possa destruir todo o patrimônio histórico da região.

O responsável pelo departamento de patrimônio histórico da Síria, Maamoun Abdul Karim, havia dito que se o EI tomasse Palmira, a cidade seria destruída. O grupo extremista já demoliu antiguidades semelhantes no Iraque, principalmente em Mosul, Hatra e Nimrud - eles as veem como símbolos de idolatria.

Decapitações

Palmira sofreu danos durante os quatro anos de guerra civil na Síria. Fundada há pelo menos 4.000 anos, a cidade fica numa área estratégica para o EI, entre Damasco e Deir Al-Zour, disputada por forças sírias e pelos militantes. Palmira também fica próxima a campos de exploração de gás natural.

Militantes teriam matado 26 pessoas numa aldeia nas cercanias de Tadmur - 10 delas foram decapitadas -, sob alegação de que eram simpáticas ao regime do ditador sírio, Bashar al-Assad.

Mais Internacional