#SalaSocial: 'Chatos moderados precisam sair do armário no Brasil do Fla-Flu'

Leandro Beguoci*

Tempo é nosso bem mais precioso. Não podemos colocá-lo no mercado ou doá-lo. Apesar disso, muitas pessoas inteligentes, todos os dias, gastam horas preciosas de vida em discussões barulhentas que não levam a nada. São apenas agressões.

Nos últimos anos, o Brasil entrou com tudo nessa modalidade de vale tudo. Há ofensas e socos na Câmara dos Deputados. Amizades desfeitas no Facebook por conta de preferências políticas. As grandes festas familiares, como o Natal, são antecedidas por sofrimento: as pessoas ficam pensando se o pai, a mãe, o tio ou a sobrinha vão reproduzir, à mesa, o que postam nas suas redes sociais.

A agressividade nos debates saiu da área de comentários, foi para a mesa de jantar e voltou ainda mais envenenada para as "timelines".



O debate público no Brasil de hoje, seja no Parlamento ou no ponto de ônibus, foi tomado por um método simplista e eficiente. Colocamos cada pessoa em uma caixinha e a classificamos como amiga ou inimiga. Não há espaço para quem diz "as coisas são mais complicadas do que isso" ou "acho melhor checar os fatos para ver se é isso mesmo".

Qualquer tentativa de colocar substância no debate é vista como um alinhamento automático com o inimigo. Você conhece os exemplos, e eles são muitos - infelizmente.

Para os extremos do debate, esse é um caminho próspero. Esses polos prosperam com a falta de dados, com os gritos e com os inimigos comuns. Têm soluções para tudo.

Convenhamos, é muito pouco para um país que, até hoje, não conseguiu ligar 40% das suas residências à rede de esgoto e que ainda convive com grandes taxas de evasão escolar. Eles substituem o chato do concreto pela emoção de um ringue. E, tenho de admitir: é atraente. Inútil, mas atraente.



E é atraente porque, nesses tempos incertos em que vivemos, no Brasil e no mundo, nós queremos respostas rápidas a nossas dúvidas. Por isso, o extremismo cresce. Ele oferece um norte.

Tomados pela ansiedade de encontrar respostas, nós estamos suprimindo as perguntas - e ignorando os perguntadores. Porém, essas pessoas são fundamentais para resolver os problemas.

E precisamos fazer perguntas não apenas sobre as nossas mazelas, mas também sobre as nossas conquistas.

Por exemplo: Como e por que o Brasil venceu, pela primeira vez, um campeonato mundial de ensino técnico? Ou como o trabalho árduo de milhares de brasileiros anônimos, ao longo das décadas, criou a maior rede pública de transplantes de órgãos do planeta? São feitos impressionantes, fruto do trabalho de muitas pessoas diferentes (e com cabeças diferentes) país afora.

Entender o que funciona é tão fundamental quanto apontar o que não funciona. Afinal, reconhecer as nossas mazelas não é fazer crítica barata ao governo. Apontar nossos sucessos não é se deliciar no quentinho da chapa branca.

Muitas pessoas e organizações têm feito esse trabalho, de buscar correção e profundidade nas discussões. Há grupos de jornalistas que apenas checam dados e desmontam declarações amalucadas e mentirosas. Há uma efervescência nas discussões sobre as cidades, com uniões de especialistas, donas de casa, aposentados, estudantes e mais um monte de gente para melhorar espaços públicos. Essas pessoas estão transformando as discussões delas em resultados bons - e reais.

Claro, não é todo mundo que tem tempo e disposição para fazer isso. Mas mesmo do nosso lado do teclado, nas nossas casas, nós podemos contribuir. Basta que, ao entrar no debate, a gente se disponha a dar substância a ele, com fatos, dados e opiniões bem fundamentadas.



Também é imprescindível ouvir. Nós precisamos escutar os outros com atenção e levar seus pontos a sério - até para entender os seus (e os nossos) erros e acertos. A desqualificação sistemática do ponto de vista das outras pessoas é uma ferramenta que só interessa a extremistas para organizar e manter seu poder.

Não tenho ilusões de que vamos todos caminhar juntos o tempo inteiro. A discordância faz parte da vida, e isso é bom. Ela nos provoca e nos leva adiante. Mas uma coisa é clareza de propósitos e ideias, outra é o consenso passado na marra e no grito. Podemos até levantar a voz e o tom (quem nunca?), mas precisamos de mais substância para sustentar declarações fortes e passar receitas definitivas.

Por isso, chegou a hora dos moderados, muitas vezes taxados de chatos, das pessoas que fazem perguntas, dos indivíduos que não se contentam como fatos extraídos de fontes pouco confiáveis. É o momento de quem quer fazer alguma coisa. A multidão silenciosa, que não aceita ser manada, espalhada entre os extremos, com medo de ser atacada pelas gangues dos likes, precisa aparecer.

É hora de perguntar "Ok, e qual o seu plano?" "De onde você tirou essa informação?" "Qual a evidência que sustenta uma declaração tão forte?" É mais chato, eu sei. Também é mais útil. É hora de confrontar os extremos com o seu próprio vazio. Às vezes, uma simples pergunta basta. É o momento de qualificar os debates públicos, mesmo aquelas zonas áridas dos comentários de Facebook.

Afinal, o Brasil não pode se dar o luxo de desperdiçar tempo com a estupidez. Há mais o que fazer por aqui do ganhar discussão no Facebook. Se você quer ir além do grito, há milhares de pessoas que querem caminhar contigo. Você não está só.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos