Alan Marques/Folhapress

Processo de impeachment

"Seria um erro interromper a democracia; precisamos mudar o sistema", diz Eduardo Suplicy

Jefferson Puff

No Rio

  • Juca Rodrigues/Framephoto/Estadão Conteúdo

    "Brasil vive momento de agravamento de tensões", disse Suplicy

    "Brasil vive momento de agravamento de tensões", disse Suplicy

Um dos fundadores do Partido dos Trabalhadores no início dos anos 1980, o ex-senador Eduardo Suplicy diz temer pela democracia e pede o fortalecimento do sistema eleitoral.

"Eu acho que para um país que sofreu um golpe militar, seria um erro gravíssimo a interrupção das formas democráticas de governo. O que precisamos é melhorar nosso sistema eleitoral, assegurando transparência de doações de campanha, e aperfeiçoar nosso processo democrático. Qualquer tentativa de exceção ou interrupção do governo seria um erro", diz.

Suplicy aceita que o PT cometeu "erros gravíssimos" e diz que "se entristece" com atos de enriquecimento ilícito e revelações da operação Lava Jato envolvendo membros do partido, mas que ainda apoia Dilma Rousseff e Luiz Inácio Lula da Silva, e se mantém contrário ao impeachment da presidente.

Em entrevista à BBC Brasil, o petista, que ocupou uma cadeira no Senado pelo partido durante 24 anos e agora atua como secretário de Direitos Humanos e Cidadania na prefeitura de São Paulo, diz que o país vive um momento de "agravamento de tensões", em que os principais líderes políticos estão tendo atitudes agressivas e "jogando pedras uns sobre os outros".

Para ele, o delicado e incerto momento que o Brasil atravessa só piora com a animosidade entre grupos contrários e favoráveis ao governo e trocas de acusações entre diferentes lideranças políticas.

"É necessário que tenhamos um espírito de brasilidade e de solidariedade, com mais respeito mútuo. As manifestações recentes não têm sido caracterizadas pela apresentação e defesa de propostas, mas, sim, por forte agressividade dos dois lados, e esse clima não nos ajuda como nação", avalia.

Ajuda

"Se numa organização tão grande [como o PT], com mais de 1 milhão de afiliados, alguns cometeram erros gravíssimos, compete a mim avaliar que papel posso desempenhar para ajudar que isso não volte a acontecer", diz.

Em meio ao turbilhão que atinge a política nacional nos últimos dias, Suplicy diz ter-se surpreendido negativamente com a delação premiada e a conduta do senador Delcídio Amaral (PT-MS).

"O caso do Delcídio foi muito grave, porque ali ele revelou primeiro a sua responsabilidade de estar envolvido em situações muito graves, o que eu considero inteiramente condenável. Ele tinha a responsabilidade de ser o líder do governo, então mais do que qualquer outro ele tinha que dar o exemplo, mas mostrou-se com uma fraqueza surpreendente", avalia.

Questionado sobre rupturas éticas e um possível descontentamento com o momento atual do partido, em vista do projeto inicial nos anos 1980, Suplicy fez referências ao caso do mensalão.

"Em alguns momentos os nossos governantes agiram como costumavam agir os governantes anteriores ao PT para conseguir o apoio para seus propósitos no Parlamento. Eu não acho a maneira mais saudável", diz.

Sobre o escândalo do petrolão, que além de supostos desvios da Petrobras teria incluído a distribuição de cargos de confiança na estatal de acordo com partidos políticos e funções no esquema, Suplicy disse que não concorda com troca de favores".

"No tempo em que fui vereador, deputado estadual, federal, e 24 anos senador, tive por norma, seja na oposição ou na base, não fazer indicativos de nomes para cargos, fossem eles diretores de empresas estatais ou ministros, e nunca justifiquei meus votos no Parlamento em função de terem sido aceitas sugestões de nome ou liberadas ou não as emendas que eu tinha encaminhado", avalia.

"Sempre ponderei que gostaria de ver o chefe do Executivo dizendo a cada um dos parlamentares que deveriam votar de acordo com suas posições e não por troca de favores."

Lula, Moro e STF

Ao comentar as gravações das ligações telefônicas entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a presidente Dilma Rousseff, a nomeação de Lula como ministro chefe da Casa Civil e a sequência de crises ocorridas durante a semana, Suplicy destacou como muito preocupante o clima atual entre Lula e o Supremo Tribunal Federal.

Em uma das gravações realizadas pela Polícia Federal que foram divulgadas à imprensa, Lula aparece criticando o tribunal, dizendo que o país tem "uma Suprema Corte totalmente acovardada".

As declarações geraram respostas do ministro do STF Celso de Mello, para quem "ninguém está acima da autoridade das leis e da Constituição de nosso país, a significar que condutas criminosas perpetradas à sombra do Poder jamais serão toleradas, e os agentes que as houverem praticado".

Suplicy acredita que foi acertada a decisão de Lula de redigir uma carta ao STF após a veiculação dos comentários considerados ofensivos aos magistrados, mas que em seu lugar teria se desculpado de forma mais enfática.

"Eu se estivesse no lugar dele deixaria mais claro um pedido de desculpas pela forma como agiu e reiterando o respeito que ele diz ter, além de esclarecer ao STF, que vai julgá-lo, que não cometeu nenhum ato ilícito", aponta, acrescentando que Lula deveria "se dirigir mais diretamente aos ministros da Suprema Corte, dada a importância de remediar esta situação, mas acrescenta que Lula deve ter assegurado "total e amplo direito de defesa".

Lucas Lima/ UOL
Suplicy diz que Lula deveria ter se desculpado de forma mais enfática

Sobre o juiz federal Sérgio Moro, que coordena os trabalhos da operação Lava Jato e que decidiu por tornar públicos os grampos em que Lula e Dilma falam sobre o "termo de posse", Suplicy disse acreditar que o juiz se excedeu.

"Eu acho que o juiz Sérgio Moro foi além da conta ao divulgar as gravações, e acho que a presidente Dilma naturalmente ficou muito irritada ao ver que a Polícia Federal gravou ligações em que ela conversa com Lula", diz.

Impeachment

O potencial impeachment da presidente Dilma Rousseff é rechaçado pelo ex-senador petista Eduardo Suplicy.

Para ele, a principal demanda das manifestações antigoverno, que é rebatida pelos gritos de "não vai ter golpe" nos protestos pró-governo, não tem razão de ser.

À BBC Brasil ele disse que acredita que a presidente procurou agir com toda lisura e que acha que ela vai poder demonstrar isso de forma bastante clara. "Eu espero que ela consiga", diz.

Na visão do ex-senador, a presidente não cometeu crime de responsabilidade.

"No meu entender ela não cometeu crime algum que possa levá-la a ser impedida. Seja nas pedaladas fiscais ou em qualquer outra ação, não vejo motivos pelos quais ela deva ser impedida. Dilma deve ser mantida no cargo", diz.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos