A repórter de nove anos que cobriu um homicídio nos EUA

Da BBC Mundo -

"EXCLUSIVO: assassinato na rua Nove!"

Com esse título, Hilde Kate Lysiak publicou em seu jornal comunitário online a notícia de um homicídio, que ocorreu no sábado passado no pequeno distrito de Selinsgrove, no Estado da Pensilvânia, nos Estados Unidos.

Hilde tem nove anos e não apenas incluiu informações e fez um vídeo da cena do crime, como também chegou ao local muito antes de outros veículos.

No entanto, vários adultos reagiram com indignação nas redes sociais, acusando o pai - um ex-jornalista - de irresponsabilidade por deixar sua filha cobrir um crime e aconselharam a menina a "brincar com bonecas".

Jornal com giz de cera

Hilde Lysiak começou a se envolver com o jornalismo aos 7 anos, fazendo um jornal para sua família com giz de cera, que logo se transformou em uma fonte comunitária de notícias com site na internet e página no Facebook.

Em 2014, lançou o "Orange Street News" (Notícias da Rua Orange, em tradução livre), abrindo com a notícia do nascimento da sua irmã.

Aos 8 anos já cobria as reuniões do conselho municipal de Selinsgrove, um distrito de 5 mil habitantes, e entrevistava empresários locais, mas ela diz que "crime é definitivamente meu (assunto) favorito".

Hilde recebeu ajuda de seu pai, Matthew Lysiak, escritor e ex-jornalista doNew York Daily News , que frequentemente a levava consigo em seu trabalho de repórter.

Sua irmã mais velha, Isabel Rose, de 12 anos, cuida dos vídeos e das fotos das reportagens.

Ela já cobriu a morte a tiros de um gambá, que poderia ter raiva, pela polícia, vários atos de vandalismo e a situação das lojas vazias na zona comercial de Selinsgrove.

"Suas notícias são geralmente positivas", disse Matthew Lysiak à agência AP. "(Mas), à medida que ganhou confiança, ela começou a sair dessa rotina".

E, no sábado, a menina foi informada por uma de suas fontes sobre um possível assassinato ocorrido perto da sua casa.

'Fontes'

A pequena repórter correu até a cena do crime e começou a fazer perguntas.

Em seu jornal informou sobre a morte de uma mulher. Acrescentou que a polícia não estava confirmando os detalhes.

Também escreveu que os moradores da área haviam sido orientados a não falar com a imprensa. Posteriormente, o site Penn Live informou que a mulher, de 75 anos, foi morta com diversos golpes na cabeça e tronco e que o caso está sendo tratado pela polícia como um homicídio.

Mas no "Orange Street News" a notícia, acompanhada de um vídeo, foi publicada horas antes que outros veículos chegassem à cena do crime. Pouco depois, as redes sociais estavam cheias de comentários negativos.

Alguns culpavam os pais da menina por deixá-la envolver-se nesse tipo de caso, outros a aconselhavam a brincar.

"Acho que ela tem muito talento e suas aspirações são grandes, mas o caso é provavelmente muito grande para que uma menina de 9 anos lide com ele", opinou uma enfermeira no Facebook.

Jornalismo versus bonecas

Mas o comentário que realmente irritou Hilde foi de alguém que escreveu: "me parece repugnante que uma menina tão adorável ache que é uma jornalista de verdade".

"Sei que estou incomodando alguns de vocês e que vocês gostariam que eu ficasse quieta e em silêncio porque tenho 9 anos", disse Hilde em um vídeo que postou como resposta.

"Mas se querem que eu deixe de cobrir as notícias, então, saiam (da frente) de seus computadores e façam algo a respeito das notícias. Aí está: pareço suficientemente adorável assim?"

Hilde insiste que continuará com seu trabalho jornalístico. "O fato de eu ter 9 anos não significa que não possa cobrir uma grande história."

Questionada se daria seguimento à notícia do crime da rua Nove, respondeu: "Terão de descobrir na próxima edição do 'Orange Street News'".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos