#SalaSocial: Curtidas a Coronel Ustra crescem 3.300% após homenagem de Bolsonaro

Ricardo Senra - Enviado especial da BBC Brasil a Brasília

A homenagem feita por Jair Bolsonaro (PSC-RJ) ao coronel Brilhante Ustra durante votação sobre o impeachment de Dilma Rousseff na Câmara rendeu notas de repúdio e pedidos de cassação ao deputado, mas também popularidade ao primeiro militar reconhecido pela Justiça brasileira como torturador.

No Facebook, a principal página relacionada ao chefe do DOI-Codi, órgão responsável pela repressão a opositores da ditadura, ganhou quase 3 mil curtidas nas últimas 72 horas - um crescimento de 3.323,2% no total de seguidores.

  • Leia também: 'Enquanto me dava choques, Ustra me batia com cipó e gritava', diz torturado aos 19 anos

A página reunia, até o fechamento desta reportagem, 17 mil fãs. Antes do discurso de Jair Bolsonaro, o número de seguidores se mantinha estável. Pelo menos quatro páginas na rede social foram criadas para homenagear o torturador.

Entre 1970 e 1974, sob o comando do coronel no DOI-Codi, ao menos 50 pessoas foram assassinadas ou desapareceram. Outras 500 foram torturadas, segundo a Comissão Nacional da Verdade.

Bolsonaro reincidente

Não é a primeira vez que Jair Bolsonaro usa os microfones da Câmara dos Deputados para homenagear Brilhante Ustra.

Em 15 de outubro do ano passado, data da morte de Ustra, o deputado carioca foi à tribuna para homenageá-lo como "herói".

"Um herói que desde jovem esteve na linha de frente do combate à guerrilha em nosso país. Enfrentou maus brasileiros, verdadeiros doentes mentais, que treinados por Fidel Castro e financiados pela União Soviética, tentaram aqui implantar a ditadura do proletariado."

  • Leia também: Discurso de Bolsonaro deixa ativistas 'estarrecidos' e leva OAB a pedir sua cassação

"Foi também um símbolo de resistência para nossa juventude. Que seu espírito e seus valores encarnem os brasileiros neste momento em que os inimigos de ontem estão no poder", prosseguiu o parlamentar.

Em 2008, Bolsonaro foi além. "O erro da ditadura foi torturar e não matar", disse a manifestantes.

Na última terça-feira, a OAB/RJ anunciou que irá recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) para pedir a cassação do mandato de Bolsonaro. A entidade informou que também pode recorrer à Corte Interamericana de Direitos Humanos para pedir que o deputado deixe o cargo.

Elogios ao ditador

Em seu voto pela admissibilidade do processo de impeachment contra Dilma Rousseff, Bolsonaro se referiu a Ustra como "o pavor" da presidente.

"Pela memória do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, o pavor de Dilma Rousseff, pelo exército de Caxias, pelas Forças Armadas, pelo Brasil acima de tudo e por Deus acima de tudo, o meu voto é sim."

  • Leia também: Estado americano declara pornografia como 'problema de saúde pública'

A própria presidente está na lista dos torturados sob a batuta do torturador e comentou, na terça-feira, as declarações.

"Fui presa nos anos 1970. De fato, eu conheci bem esse senhor a que ele se referiu. Foi um dos maiores torturadores do Brasil, contra ele recai não só a acusação de tortura, mas também de mortes", disse. "É terrível ver alguém votando em homenagem ao maior torturador que o Brasil conheceu."

Os novos fãs de Ustra no Facebook, entretanto, desfiam elogios.

"Militar exemplar. Quando a História Brasileira for escrita com honestidade o valor ético e moral do Coronel Ultra (sic) será reconhecido! E as mentiras e os mentirosos desmascarados!", disse um.

  • Leia também: Três rumos que a Lava Jato pode ter após decisão sobre impeachment

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos