Por que criador do bitcoin se viu obrigado a revelar identidade secreta

Um empreendedor australiano disse ser o criador do bitcoin, a moeda eletrônica.

A declaração de Craig Wright, confirmada por pessoas ligadas ao desenvolvimento da moeda digital, elucida anos de mistério sobre a identidade de seu criador, que, por anos se escondeu atrás de um pseudônimo japonês, Satoshi Sakamoto.

Wright disse ter resolvido revelar sua identidade para acabar com especulações da imprensa e evitar que pessoas próximas a ele fossem importunadas ou "sofressem" por causa disso.

Ele fez a revelação sobre sua identidade para a BBC e às revistasThe Economist e GQ - e forneceu provas técnicas ao usar moedas que notoriamente pertenciam ao criador do bitcoin.

Durante um encontro com representantes da BBC, Wright fez assinaturas digitais em mensagens usando chaves criptográficas criadas logo no início do desenvolvimento do bitcoin. As chaves estão inseparavelmente ligadas a blocos de bitcoins criados por Satoshi Nakamoto.

  • Leia também: O deserto colorido e mortal onde cientistas procuram os extremos da vida

"Estes são os blocos usados para enviar 10 bitcoins para Hal Finney em janeiro (de 2009) como a primeira transação em bitcoin", disse Wright durante a demonstração.

Hal Finney, um renomado criptógrafo, foi um dos engenheiros que ajudaram Wright a colocar em prática suas ideias.

"Foi a principal parte disso, mas outras pessoas me ajudaram", disse.

Mais provas

Wright afirma que planeja divulgar mais informações que permitirão que outras pessoas verifiquem através de criptografia que ele é mesmo o criador da moeda eletrônica.

Logo após Wright fazer sua declaração, Gavin Andresen, cientista-chefe da Fundação Bitcoin, publicou um blog dando crédito à declaração do australiano.

"Acredito que Craig Steven Wright seja a pessoa que inventou o bitcoin", escreveu.

Jon Matonis, economista e um dos fundadores da Fundação Bitcoin, afirmou estar convencido de que Wright é quem afirma ser.

"Durante as sessões de provas em Londres, tive a oportunidade de analisar dados relevantes em três linhas diferentes: criptografia, social e técnica. Tenho a forte convicção de que Craig Wright atende a todas as três categorias", afirmou.

Ao revelar sua identidade, Wright espera por um fim a especulações da imprensa sobre quem estaria por trás de Satoshi Nakamto.

A revista The New Yorker , a Fast Company , Newsweek e outras organizações fizeram longas investigações tentando descobrir quem seria o criador da moeda eletrônica e divulgaram nomes de várias pessoas que se encaixavam no perfil.

Em dezembro de 2015 duas revistas, a Wired e a Gizmodo , apontaram Wright como um dos candidatos depois de receber documentos que, acredita-se, teriam sido roubados dele e que revelavam seu envolvimento com o projeto.

  • Leia também: O país mais afetado por Chernobyl (não é Ucrânia) e que está construindo 1º reator

Logo depois da publicação destes artigos as autoridades na Austrália fizeram buscas na casa de Wright. O Escritório de Tributação australiano afirmou, na época, que as buscas estavam ligadas a uma longa investigação sobre pagamentos de impostos e não ao Bitcoin.

Perseguição

A publicação dos artigos em dezembro fizeram com que muitos jornalistas e outras pessoas começassem a importunar Wright e conhecidos seus.

"Há muitas histórias por aí que foram inventadas e eu não gosto de ferir as pessoas com quem me importo. Não quero que elas sofram nenhum impacto por causa disso", afirmou.

"Não fiz isto (revelar a identidade) porque queria. Não foi minha escolha", disse ele, acrescentando lamentar ter sido forçado a revelar sua identidade.

"Eu realmente não queria ser a face pública de nada. Preferiria não fazer isso. Quero trabalhar, quero continuar fazendo o que quero fazer. Não quero dinheiro. Não quero fama. Não quero adoração. Só quero ser deixado em paz."

Hoje os bitcoins são aceitos como pagamento por vários bens e serviços - de tudo, desde transferências internacionais de dinheiro até pagamento de resgate de dados criptografados por vírus de computador.

Atualmente há cerca de 15,5 milhões de bitcoins em circulação. Cada um vale cerca de US$ 449 (mais de R$ 1,5 mil).

Acredita-se que "Satoshi Nakamoto" tenha amealhado cerca de um milhão de bitcoins, o que daria a ele um patrimônio líquido, se tudo fosse convertido para dinheiro, de cerca de US$ 450 milhões.

  • Leia também: 'Conflito esquecido': Uma brasileira entre refugiados e ataques de meninas suicidas no Chade

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos