Duas realidades: como cor e classe influenciam quem você é?

Em um país onde as origens racial e social podem ter um peso tão grande, conheça a história de duas jovens do Rio de Janeiro.

As duas são cariocas, estão dando os primeiros passos para suas carreiras e estudam na mesma universidade particular - mas têm histórias de vida muito diferentes.

Sharon Schottler tem 20 anos e estuda cinema na PUC-Rio. Juliana Thaís de Araújo tem 24 e estuda design de moda. 

Sharon mora com os pais no Recreio, na zona oeste do Rio; Juliana divide um apartamento com uma amiga em uma comunidade perto da universidade na Gávea, zona sul do Rio.

Sharon é loura de olhos claros, Juliana tem dreadlocks cor-de-rosa-bebê (e também pinta as sobrancelhas de rosa).

Sharon faz aula de saxofone; Juliana gosta de tocar músicas em festas de black music.

Sharon tem ascendência escocesa e alemã; Juliana nada sabe sobre a história de seus antepassados africanos.

Em um país em que as origens racial e social podem ter um peso tão grande, como ser branca ou negra influenciou quem elas são, e o quão decisiva foi a condição socioeconômica de suas famílias para delinear suas trajetórias?

A pedido da BBC, elas passaram uma semana conhecendo um pouco da vida uma da outra para a série especial Identity, com reportagens feitas no mundo todo sobre como se forma e o que influencia a identidade de cada um.

"O recorte racial pra mim é muito forte. Antes de brasileira, eu me considero negra. E a partir daí eu vou construindo as minhas outras identidades", conta Juliana, filha de uma psicóloga e um funcionário público.

"Meus pais, apesar de não terem uma situação econômica elevada, tiveram muito acesso a cultura. Sempre prezaram pela minha educação e formação. Acho que é por isso que sou mais grata a eles. Sou mulher e isso também forma a minha visão de mundo. Vivo num país bastante machista e racista. Esses são os fatores que mais me formam como ser humano. E também o fato de eu não ser parte da zona sul da cidade, de ser de outra região que não é tão elitizada."

Juliana está no oitavo período de design de moda na PUC-Rio. Há seis meses, desenvolveu sua primeira marca de roupas com dois designers e sócios, a RMA-3.

Sharon, por sua vez, tem ascendência britânica - escocesa - por parte de mãe, e alemã, por parte de pai.

"O que marca a minha identidade é muito a minha família, a convivência com eles. Temos essa cultura forte de falar inglês em casa, tomar chá, assistir a filmes em inglês. Isso acabou ficando muito forte em mim - ainda que eu passe a maior parte do dia em um ambiente, digamos, brasileiro", diz.

"Acho que tive sorte de nascer e crescer na família que eu tenho, porque economicamente nós estamos bem, apesar da crise. Temos momentos difíceis, todo mundo tem, mas ainda estamos acima da média."

Em setembro ela partirá para um intercâmbio em Londres, durante um ano. "Acho que vou me conhecer melhor nesse período. Eu tenho essa imagem de mim como meio britânica, e tenho medo de chegar lá e ver que não é nada disso, que na verdade sou completamente brasileira. Estou curiosa para ver que diferença o Brasil faz em mim. "

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos