Fotógrafo registra o controverso mundo de meninas que juram castidade nos EUA

Fiona Macdonald - Da BBC Culture

Garotas e seus pais são retratados com uma câmera capaz de capturar o menor dos detalhes: uma mão agarrada a um dedo; uma franja caindo sobre um olho; o sol refletido em uma porção de medalhas. Nada capaz de chocar, não fosse um detalhe.

O fotógrafo sueco David Magnusson partiu para os Estados americanos da Louisiana, do Colorado e do Arizona para registrar meninas adolescentes e seus pais durante os chamados Purity Balls (algo como "bailes da pureza", em tradução literal).

Nessas cerimônias cristãs, as garotas prometem se manter virgens até o casamento e, em troca, os pais juram proteger a castidade delas. Às vezes, pai e filha até trocam alianças de compromisso.

  • A perturbadora arte de fotografar mortos
  • Siga a BBC Brasil no Facebook, no Twitter e no Instagram

Quando as fotos foram publicadas na internet, as reações foram extremas. "Muitas pessoas se sentem provocadas por essas imagens - alguns ficam curiosos, perguntam sobre meu projeto e entendem o fenômeno, enquanto outros detestam. Isso nos diz muito sobre cada pessoa", conta Magnusson.

'Longe de erros'

Magnusson descobriu os Purity Balls depois de ler uma reportagem em uma revista sueca. "Imaginei encontrar esses pais americanos cheios de medo, sentados na entrada de casa com seus revólveres, tentando proteger a honra da família", conta.

"Queria saber por que eles fazem isso e, conforme fui me informando mais, entendi que eles só querem o melhor para suas famílias. Em muitos casos, são as próprias meninas que pedem para ir a um Purity Ball", afirma.

  • Fotógrafa reencena drama real de crianças criadas por animais
  • Oito fantásticas ilusões de ótica do mundo das artes

Jay Smallwood, retratado com a filha, Hope, disse ao fotógrafo: "Tanto eu como minha mulher fizemos escolhas erradas quando éramos jovens, e nossos filhos sofrem as consequências dessas escolhas. O Purity Ball foi uma oportunidade de prometer à minha filha que ela não vai cometer os mesmos erros que eu".

Para Antonio Sa, de Colorado Springs, retratado com as filhas Laila, de 7 anos, e Maya, de 5, a cerimônia do Purity Ball serviu como um marco de união com as meninas.

"Quando eu era jovem, fui um por caminho que teve graves consequências para mim. Eu sabia que não merecia ser pai. Mas, apesar de Deus saber das minhas limitações, ele me confiou a vida destas duas meninas", afirma.

"A cerimônia foi uma bênção para mim. Uma noite em que honramos a Deus como família, uma noite que marcou nossas relações entre nós mesmos e perante Deus. Naquela noite, eu fui o príncipe e elas, minhas princesas", conta.

Questão de orgulho

Magnusson revela que a intenção de seu projeto foi dar voz aos diferentes indivíduos que participam dos Purity Balls.

Um exemplo é Gary Kruse, de Black Forest, no Colorado. Pai de Grace, de 14 anos, ele tem uma visão mais feminista da questão da castidade.

"Décadas atrás, quando uma mulher queria ser engenheira ou diretora de uma empresa, as reações eram de desprezo e ela tinha que se conformar em ser outra coisa. Acho que isso era uma distorção de sua pureza: ela não podia usar seus talentos. Não quero que isso aconteça com nenhum dos meus nove filhos."

Ele acrescenta: "Preferia que o Purity Ball fosse chamado de 'Baile de Pai e Filha' porque, para a nossa sociedade, a pureza é sempre associada com a sexualidade de uma garota. Mas é uma parte importante de sua feminilidade, não tudo. Para mim, pureza é deixar meus filhos aflorarem da maneira que estão destinados e não deixá-los simplesmente seguir a imagem que outras pessoas constroem para eles".

Magnusson conta que quis fazer belas imagens para que as meninas e seus pais se sentissem orgulhosos delas - da mesma maneira que se sentem orgulhosos de seus votos de castidade. "Mas pessoas com outras histórias de vida podem acabar enxergando algo completamente diferente nessas fotos", diz.

Para Nicole Roosma, de 17 anos, retratada com o pai, Will, o Purity Ball foi uma maneira de se relacionar com ele de uma maneira diferente.

"Nunca conversamos muito sobre esse assunto, mas naquela noite falamos e senti que ele confia mais em mim. Isso foi muito especial para mim", afirma. "Na nossa cultura, tudo está relacionado ao sexo, então é difícil para alguém da minha geração cumprir com uma promessa como essa."

Já Rose Smoak, de 16 anos, da Louisiana, diz acreditar que sua decisão de se manter virgem não é bem aceita nem incentivada pela sociedade em que se encontra.

Polêmica

Quando Magnusson expôs as fotos do projeto Purity em Estocolmo, em 2014, enfrentou protestos e pedidos de boicote. "Nós suecos nos consideramos abertos a novas culturas, mas ao mesmo tempo temos uma compreensão muito rígida daquilo para o que nos abrimos", afirma.

Muitos Purity Balls são organizados pelas próprias mães das meninas. O formato pai e filha foi adotado para incentivar os homens a ter um papel mais significativo nas vidas das garotas.

Magnusson reconhece que, para realizar suas fotos, contou com uma boa dose de confiança por parte dessas famílias.

David Clampitt, retratado ao lado da filha Jamie, de 13 anos, disse ao fotógrafo que sabia que as imagens seriam polêmicas, mas ao mesmo tempo se sentiu orgulhoso de poder mostrar suas crenças com dignidade.

  • Leia a versão original desta reportagem (em inglês) no site da BBC Culture .

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos