'Encarei o motorista do caminhão', diz testemunha de ataque em Nice

Em relato dramático, egípcio conta momento em que autor de atentado parou caminhão a um metro de distância e começou a atirar até ser morto pela polícia.

Uma testemunha do ataque em Nice presenciou de perto o ataque à multidão na cidade francesa.

Em entrevista à rádio 5 da BBC, o egípcio Nadar El Shafei disse que no início pensou que o motorista tivesse perdido o controle do caminhão e atingido pedestres "por acidente" na principal avenida litorânea da cidade.

"Eu continuei gritando e berrando para ele parar", afirmou.

El Shafei disse que o caminhão parou a cerca de um metro dele, e descreveu como o motorista ignorava as pessoas e parecia procurar algo dentro da cabine do veículo - uma arma.

Com um telefone, o egípcio filmou o momento em que o homem começou a atirar pela janela do caminhão, até ser morto pela polícia francesa. Ao menos 84 pessoas morreram no atentado.

Veja o momento em que o caminhão acelera em meio à multidão

  •  

Leia abaixo o relato da testemunha:

"Logo após a queima de fogos, todas as pessoas estavam na praia - eu estava entre elas, aproveitando a celebração do Dia da Bastilha.

Cinco minutos após o fim dos fogos, todas as pessoas estavam andando de novo pela rua em frente à praia quando de repente ouvimos gritos.

Vi um caminhão vindo em minha direção. Eu estava na frente do caminhão na avenida principal e vi algumas pessoas embaixo do caminhão, já esmagadas.

Ele parou na minha frente, a cerca de um metro - pude vê-lo pela janela.

No começo, pensei, vendo as pessoas em volta, que tinha sido um acidente, que aquele homem tinha apenas perdido o controle do carro e atingido as pessoas por acidente.

Então fiquei gritando e berrando para ele parar, porque havia pessoas embaixo do veículo. Mas ele não olhava para ninguém - apenas se movia dentro do carro de um jeito nervoso e agressivo, como se estivesse procurando alguma coisa.

As mãos dele estavam no volante - pensei que ele tivesse perdido o controle e estivesse tentando parar o caminhão.

Mas ele pegou uma coisa - para mim pareceu um celular, então pensei que ele pudesse estar tentando chamar uma ambulância.

De repente a polícia veio por trás de mim, porque eu estava encarando o homem. E o vi sacando sua arma e começando a atirar pela janela.

Naquele momento a polícia me afastou, pedindo que corresse. Eles diziam 'dégagez' [saia]. Então eu recuei quatro metros.

Peguei meu celular e comecei a gravar o tiroteio e o que estava acontecendo.

Eu não corri - estava paralisado. Filmei tudo até a polícia matar o homem.

Um policial me viu filmando - e gritou de forma agressiva para que corresse. Eu apenas me abaixei, porque eles estavam dizendo 'abaixe-se', 'abaixe-se', por causa do tiroteio.

Então eu me joguei no chão, mas ainda estava filmando. Então esse policial veio novamente, e direto até mim, gritando para todas as pessoas na praia que saíssem dali - acho que eles pensavam que pudesse haver uma bomba no caminhão ou com o homem.

Naquele momento eu percebi que er amuito sério, e comecei a correr com as pessoas pela praia."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos