Morre irmão de Omran, símbolo do horror da guerra síria

O irmão mais velho de Omran Daqneesh, o garoto sírio que chocou o mundo ao ser flagrado sozinho, atônito e coberto de pó e sangue após ser resgatado, morreu em decorrência de ferimentos causados pelo bombardeio à casa da família em Aleppo, afirmam ativistas.

A rede de ativistas Syria Solidarity Campaign, baseada na Inglaterra e que apoia os rebeldes que enfrentam o regime de Bashar Al-Assad, disse que Ali, de 10 anos, "morreu hoje (sábado) por ferimentos causados pelo bombardeio de sua casa pela Rússia/Assad".

  • Entenda a 'mini guerra mundial' que ocorre na Síria

Jatos russos e do regime sírio conduziram ataques pesados em áreas controladas pelos rebeldes em Aleppo.

Omran, de cinco anos, foi filmado coberto de pó e sangue após sua casa ser atingida.

As imagens - simbolizando o sofrimento de civis presos em meio aos combates em Aleppo - causaram revolta pelo mundo.

Um testemunha não identificada em Aleppo citada pela agência de notícias Reuters disse que Ali Daqneesh sofreu hemorragia e danos a órgãos vitais após o bombardeio de 17 de agosto.

Pelo Twitter, o repórter Kareem Shaheen, que colabora para o jornal britânico The Guardian no Oriente Médio, disse ter confirmado a morte com o médico que atendeu Omran.

"Esse garoto sírio (Omran) sobreviveu. Seu irmão mais velho morreu. E o mundo continua a assistir, derramando lágrimas, fazendo nada", escreveu o repórter.

Aleppo, que até o início da guerra civil era o centro comercial e industrial do país, foi praticamente dividida em duas desde 2012, com o governo controlando o oeste e os rebeldes, o leste.

Histórico

A guerra na Síria é um conflito complexo que entre forças locais, regionais e internacionais.

O estopim do conflito foi a reação do regime de Bashar Al-Assad contra manifestações pró-democracia iniciadas em março de 2011, na cidade de Daraa, após a prisão e tortura de adolescentes que haviam pintado slogans revolucionários no muro de uma escola.

Forças de segurança abriram fogo contra manifestantes, o que provocou mortes e alimentou a insurgência por todo o país - em julho daquele ano, centenas de milhares tomavam as ruas.

Membros da oposição eventualmente começaram a pegar em armas. A princípio, para se defender; depois, para expulsar as forças estatais de suas regiões.

O país entrou em guerra civil, com brigadas rebeldes lutando contras tropas governamentais pelo controle de cidades, povoados e zonas rurais. Em 2012, a violência chegou à capital Damasco e à segunda metrópole mais importante do país, Aleppo.

O conflito hoje é mais do que uma disputa entre grupos pró e anti Assad. Adquiriu contornos sectários, jogando a maioria sunita contra o ramo xiita alauita de Assad.

E o avanço do grupo extremista autodenominado Estado Islâmico deu uma nova dimensão à guerra. O EI se aproveitou do caos e tomou controle de grandes áreas na Síria e no Iraque, onde proclamou a criação de um "califado" em junho de 2014.

Seus integrantes estão envolvidos numa "guerra dentro da guerra" na Síria, enfrentando rebeldes e rivais jihadistas da Frente al-Nusra, ligada à Al-Qaeda, bem como o governo e forças curdas.

O conflito também mudou muito desde o início. Moderados seculares hoje são superados em número por islâmicos e jihadistas, adeptos de táticas brutais que motivam revolta pelo mundo.

E a batalha já além de ser contra ou favor de Assad - adquiriu um tom sectário, onde a maioria sunita enfrenta a ala xiita que apoia o presidente, e inclui a intervenção de países vizinhos e de potências globais.

Uma coalizão liderada pelos EUA lançou ataques aéreos na Síria em setembro de 2014 em tentativa de enfraquecer o EI. Em 2015, a Rússia lançou campanha aérea alvejando terroristas na Síria, mas ativistas da oposição dizem que os ataques têm matado civis e rebeldes apoiados pelo Ocidente.

Todas as partes em conflito já foram acusadas de crimes de guerra - como ataques a civis, tortura, estupro, desaparecimentos forçados e bloqueios que impedem fluxo de alimentos e serviços de saúde.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos